Conheça os valores de aluguel para a temporada na serra

Claudio Marques

24 de junho de 2012 | 09h23

GUSTAVO COLTRI

Quem quiser tirar alguns dias de folga em meio às montanhas do interior nesta temporada de inverno deve se deparar com diárias de até R$1.158, de acordo com levantamento feito pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis de São Paulo (Creci-SP) em três dos principais destinos do Estado nesta época do ano – Campos do Jordão, Atibaia e Águas de Lindoia. Os valores mínimos variam consideravelmente, dependendo da localidade do bem e do prazo de locação.

Dez imobiliárias locais foram consultadas pelo Creci-SP, que identificou pacotes de locação de, no mínimo, três dias para imóveis com capacidade de até 15 pessoas. As opções mais baratas apontadas pela pesquisa, com locação avaliada em R$ 500, são as casas de um dormitório em Campos do Jordão e de dois dormitórios em Águas de Lindoia. Mesmo assim, a quantia pedida como diária neste município corresponde a alta de 150% em relação aos valores do mesmo período de 2011.

Ainda segundo o Creci-SP, Campos do Jordão tem casas disponíveis com até quatro dormitórios – as mais caras para o consumidor de temporada. A cidade ainda tem oferta de apartamentos de dois e de três dormitórios, com preços respectivamente de R$ 650 e R$ 1.125.

“A procura maior é pelos imóveis de dois dormitórios para cima”, diz o proprietário da imobiliária Imóveis em Campos do Jordão, Roberto Maurer. A predileção dos locatários, segundo ele, é por opções no centro do Capivari, no coração da cidade. “Mas há opções mais baratas em bairros populares e mais afastados, como Vila Cristina, Vila Loly e Serra Azul, a cerca de seis quilômetros do centro. As diárias ficam a partir de R$ 200”, conta.

Aluguéis temporários mais baixos também podem ser encontrados em cidades próximas, embora elas tenham o mercado de locação menos desenvolvido. Em Santo Antônio do Pinhal, a 20 km de Campos do Jordão, o consumidor chega a encontrar diárias de R$ 150 para a locação de chalés durante um fim de semana de julho, de acordo com o corretor Benedito Mariano dos Santos, dono de uma operadora de turismo no município.

Outro corretor local, Paulo Leite diz que as diárias chegam a R$ 750 para imóveis de melhor padrão em Santo Antônio. Ele vê especial liquidez para sítios de, no mínimo, três dormitórios, além dos econômicos chalés. “Ocorre o desconto de 10% em média (se o prazo de locação se estende), estima.

Mais perto. A cerca de 65 km da capital paulista, Atibaia seduz pelos seus preços. A cidade tem a menor média de valores entre as três pesquisadas pelo Creci-SP, com uma oferta de casas de dois, três e quatro dormitórios.

Neste ano, o destaque por lá são os imóveis de três dormitórios, com os menores valores de diária: R$ 560. As casas com quatro dormitórios, por outro lado, são as mais salgadas do município nesta temporada, a R$ 862 por dia – no entanto, 25% a menos do que o mesmo tipo de imóvel em Campos do Jordão.

Já em Águas de Lindoia, no chamado Circuito das Águas Paulista, o aluguel de casas amplas com quatro dormitórios não passa, segundo a pesquisa do Creci-SP, dos R$ 1 mil. O levantamento não indica oferta de bens de três dormitórios na cidade.

Na mesma região, Serra Negra tem opções atraentes, especialmente para quem pretende estender a permanência no município. Aproveitando suas férias, a auxiliar administrativa Eliane da Silva Branco, de 46 anos, pagará R$ 150 diários por um pacote de dez dias em uma casa de dois dormitórios com piscina e churrasqueira. “Como tenho uma família de quatro pessoas, sai mais barato do que ir para um hotel.”

Na imobiliária local TSN Imóveis, especializada em locações para temporada e vendas, os valores por dia variam de R$ 130 a R$ 600. “Para chácaras, fazemos pacotes para fins de semana que vão de R$ 800 a R$ 1,5 mil. Se for apartamento, já sai uns 700”, diz Lisete de Almeida, dona da empresa em conjunto com seu marido, o corretor João de Almeida.

A preferência na cidade muda de acordo com o perfil do público, segundo Lisete. As chácaras são procuradas principalmente por famílias; as casas, mais próximas do centro, pelos interessados no comércio local. No imóvel que alugou, a auxiliar administrativa Elaine acredita ter acesso ao melhor do município. “Gosto das lojinhas, mas a cidade tem atrações e passeios, como andar a cavalo”, exemplifica.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.