Direcional faz 6,2 mil moradias em Brasília
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Direcional faz 6,2 mil moradias em Brasília

Com 390 prédios, Paranoá Parque é o maior projeto construído em apenas uma etapa

Claudio Marques

01 Setembro 2016 | 16h07

Contratado em 2012, empreendimento foi entregue em 2015 - Foto: Daniel Manur / Divulgação/Direcional

Contratado em 2012, empreendimento foi entregue em 2015 – Foto: Daniel Manur / Divulgação/Direcional

Heraldo Vaz
ESPECIAL PARA O ESTADO
Os números do Paranoá Parque, em Brasília, impressionaram a comissão julgadora do Master Imobiliário. São 390 edifícios de quatro andares, com 6.240 unidades de dois quartos, em terreno de 1,5 milhão de m². O empreendimento, contratado em dezembro de 2012, foi entregue em dezembro de 2015.
O Paranoá Parque é o maior empreendimento desenvolvido em apenas uma etapa pela Direcional, afirma o diretor de engenharia da construtora, Leonardo Laender.
Ele destaca a infraestrutura do conjunto. “Entregamos não só os prédios, mas também uma completa estrutura de lazer para os moradores. São 14 praças, 9 quadras poliesportivas, 26 quiosques, 8 parques infantis, 5 academias ao ar livre, pista de skate, ciclovias, pergolados e áreas verdes”, diz.
O projeto também contemplou a entrega de lotes urbanizados para construção de escolas, postos de saúdes e demais equipamentos públicos com infraestrutura de pavimentação, energia e saneamento.
A Direcional possui histórico na execução de projetos voltados para a população de baixa renda. Laender ressalta a experiência bem sucedida em todas as faixas de renda do programa Minha Casa Minha Vida, inclusive no segmento de renda mensal bruta de até R$1,6 mil, como é o caso do Paranoá Parque.
“Desde 2010, contratamos 91 mil unidades habitacionais provenientes de 35 projetos, que totalizam um VGV contratado de R$ 6 bilhões”, calcula Laender.
Segundo ele, o Paranoá é um marco para a Direcional. “É um empreendimento grandioso, que pode ser considerado um dos maiores do Brasil, avaliando área de ocupação e unidades”. Para executá-lo, a empresa desenvolveu uma cadeia de fornecedores para apoiar e superar desafios logísticos, lidando com uma construção escalonada. “Todos os materiais precisam chegar em tempo hábil à obra”, afirma.
Números. A Direcional diz que utilizou 177 mil m³ de concreto, suficientes para construir duas vezes o estádio do Maracanã. Foram necessárias 4,9 mil toneladas de aço. As estacas da fundação profunda, com 237 mil m³, se enfileiradas, cobririam a distância entre Bruxelas e Amsterdã, na Europa.
O volume de cerâmica usado é comparado a 75 campos de futebol oficiais, com 5,7 milhões de m². No total foram 25 mil portas e 33 mil janelas instaladas.
Para entregar 6.240 apartamentos em 30 meses, a Direcional optou pelo método construtivo com paredes e lajes de concreto armado e formas de alumínio. O Paranoá Parque representa a consolidação do processo de industrialização da construção, atesta Laender.
Produtividade. “Conseguimos alcançar o melhor resultado em eficiência, produtividade, controle de custos e processos, além de criarmos um empreendimento que se tornou referência para o mercado de habitação popular”, diz. “Estamos aptos a desenvolver projetos em qualquer escala, priorizando a eficiência operacional aliada à qualidade nas entregas.”
O método construtivo da Direcional – operacionalizado com o auxílio de formas de alumínio e armações de aço – permitiu finalizar até 28 unidades a cada 24 horas. “Tradicionalmente, as obras são realizadas por meio de métodos construtivos que consideramos artesanais”, avalia Laender, citando que esses projetos são executados com blocos de concreto ou cerâmica. “Possuem alto índice de perda de materiais e demandam mais tempo de produção.”
O método de construção industrializado, segundo o diretor de engenharia, é racionalizado. “Permite maior assertividade no cumprimento do planejamento da obra, reduz as atividades artesanais e improvisações, contribuindo para a eficiência no canteiro.”
Laender faz analogia com a indústria automobilística, com linhas de produção automatizadas e processos padronizados. “A diferença é que na construção civil as equipes de produção se movimentam nos canteiros”, diz. “Executam as atividades de forma cadenciada, mantendo o ritmo necessário para execução da obra.”
Ele diz que a Direcional adotou o método construtivo industrializado em 2010. “Conseguimos dar um salto importante no nosso volume e capacidade de produção”, declara. “Somos a segunda maior construtora do país em metros quadrados construídos.”

Mais conteúdo sobre:

Prêmio Master Imobiliário