Empreendimentos valorizam os recursos naturais

Empreendimentos valorizam os recursos naturais

Construtoras investem em janelas, luminosidade e espaçamento entre as torres para desenvolver projetos mais agradáveis

Claudio Marques

30 de junho de 2014 | 15h00

De acordo com a gerente de projetos da Porte Construtora, Maura Groke, todas as plantas da construtora, com foco no mercado de luxo, têm como meta garantir que áreas essenciais recebam sol. “Por isso, as fachadas são viradas para o norte.”

Essa medida, segundo ela, faz com que os moradores utilizem menos ar-condicionado, economizem energia e, assim, deixem os prédios mais sustentáveis. Além disso, Maura diz que há cuidados com a entrada de luz.

Os apartamentos têm vãos e grandes janelas que ganham sol no inverno e ampliam a ventilação no verão.” A gerente de projetos acrescenta que as varandas são amplas, com caixilhos que permitem a abertura total das vidraças, permitindo a entrada de ar nos dias quentes.

As áreas mais frias dos imóveis, como depósitos e banheiros, são voltadas para a face sul, que recebe ventos mais frios. “Nesses espaços, usamos, também, muitos vidros facilitando a entrada de luminosidade.”

O projeto Praça São Paulo, da Odebrecht Realizações Imobiliárias, foi pensado para que todos os imóveis pudessem aproveitar a ventilação e o sol, segundo o diretor de construção da obra, Marcelo Valadão. “Discutimos o projeto priorizando o conforto térmico”, diz.

Distanciamento entre edifícios do Praça São Paulo tem intenção de garantir maior bem-estar

Como o projeto é composto por cinco torres – três com uso residencial e misto e duas com uso corporativo –, Valadão diz que é preciso garantir um distanciamento mínimo entre elas para que todas recebam calor e sol. Além disso, todos os imóveis do empreendimento, com uma parte comercial, um mall e um hotel, têm amplas janelas para aproveitar a ventilação.

Segundo ele, nos residenciais, as paredes são mais espessas, e nos revestimentos internos, além da escolha dos materiais, são feitas simulações para avaliar o grau de conforto térmico na unidade. Valadão diz ainda que as paredes em drywall são protegidas com lã de rocha para eu fiquem mais robustas.

O diretor da OR ressalta que o Praça São Paulo tem o intuito de gerar eficiência energética. “No corporativo, é preciso pensar na atividade, para que a utilização de luz e calor natural sejam apropriadas.”

Embora exista a preocupação da empresa, Valadão acredita que os clientes ainda não estão atentos às questões térmicas em seus imóveis. “O cliente está mais exigente, mas, no plantão de vendas, questões como face norte não são levantadas. Mas isso vem evoluindo gradativamente. E, com a cidade cada vez mais quente, essa questão será cada vez mais discutida.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.