“Fui punida com a destituição”

Erro de gestão anterior motivou o afastamento de síndica

Claudio Marques

14 de junho de 2014 | 10h31

EDILAINE FELIX

Lúcia Bezerra, de 61 anos, foi destituída do cargo de síndica que ocupava há seis anos. Moradora do edifício que administrava, ela conta que os problemas começaram a surgir quando, no ano passado, o condomínio foi sentenciada em um processo trabalhista a pagar quase R$ 100 mil a um funcionário demitido em uma gestão anterior a sua.

“Quando assumi, o condomínio estava afundando financeiramente, os imóveis desvalorizados. Fiz muitas melhorias, implantei quadra, playground, academia, salões, jardim. Quando comecei a fazer as benfeitorias, passei a receber elogios, mas foi quando essa ação trabalhista, que foi julgada a revelia, chegou, eu passei a não servir mais”, diz.

Segundo Lúcia, para pagar o processo foi preciso fazer um rateio, e foi então que a situação saiu do controle. “Um morador fez um abaixo- assinado com 58 condôminos, e eles me destituíram do cargo em fevereiro.”

 

LEIA MAIS:   Síndico: cercado de queixas, próximo das soluções 

LEIA MAIS:  Administrador deve ser conciliador

 

A ex-síndica está de mudança do prédio – segundo ela, não tem mais “clima” de permanecer lá depois de ter sido destituída do carg0. Aposentada, ela conta que se dedicou integralmente para o condomínio nos seis anos e três mandatos, mas que não quer ser síndica nunca mais.

“Enquanto você satisfaz a vontade dos moradores, eles te amam. Comigo foi assim, enquanto realizei obras e valorizei os imóveis. Mas, quando uma falha de uma outra gestão caiu no meu colo, fui punida com a destituição.”

 

Tudo o que sabemos sobre:

síndico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.