Impacto visual do monotrilho assusta moradores na zona sul

Claudio Marques

09 de setembro de 2012 | 08h08

GUSTAVO COLTRI

Enquanto na zona leste a chegada do monotrilho parece ser encarada com otimismo, na zona sul a construção da linha 17-Ouro do metrô causa preocupação entre os proprietários de unidades nobres à beira da Avenida Jornalista Roberto Marinho.

As obras da primeira fase do projeto – que ligará a estação Morumbi da linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) ao aeroporto de Congonhas – foram iniciadas em 29 de março e têm previsão de término em 2014.

De acordo com um corretor que não quis se identificar, proprietários de unidades até o terceiro pavimento dos prédios aos poucos tentam repassar os imóveis, com medo de que a via elevada a metros das janelas desvalorize os bens. As pilastras de sustentação do monotrilho terão, em média, 15 metros de altura.

“Muita gente, à boca miúda, está saindo dos imóveis ou se mudando para o mesmo prédio, mais para cima”, explica. Os mesmo não ocorre nas áreas próximas à avenida, segundo o profissional: “Lá vai até valorizar”.

De acordo com a gerente da The Place Imóveis, Martha Beatriz Salles, o temor da depreciação ainda não se converte em uma tendência de vendas e pode ser revertido no futuro. “Conhecemos muito pouco o assunto”, diz. Ainda não há na região uma trilha de pilastras, como ocorre na Vila Prudente, na zona leste.

A corretora Miriam Menin, da Borges Imóveis, explica que outros proprietários da região do Brooklin ainda seguem cautelosos, ávidos por aproveitar da melhor forma as oportunidades. “Uma pessoa com a qual conversei esses dias disse que não queria vender o imóvel para ver se conseguia futuramente vender para incorporação ou alugar para o comércio”, conta.

O processo de valorização deve ocorrer, segundo ela, também pela chegada do metrô nas proximidades da Avenida Santo Amaro. Atualmente em construção, a linha 5-Lilás passará pela região antes de seguir para a estação Chácará Klabin, interligando-se com a linha 2-Verde do metrô.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.