Interior tem custo de vida menor e tranquilidade
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Interior tem custo de vida menor e tranquilidade

Mercado fora da região metropolitana oferece opções de todos padrões e tipologias

Claudio Marques

18 de dezembro de 2016 | 07h30

Empreendimento Alto da Abolição, em Campinas

Empreendimento Alto da Abolição, em Campinas

Márcia Rodrigues
ESPECIAL PARA O ESTADO
Seja pelo custo de vida mais barato e pela tranquilidade ou pelo valor do metro quadrado mais em conta, o movimento de paulistanos em direção ao interior continua apesar da crise, segundo Frederico Marcondes Cesar, vice-presidente do interior do Sindicato da Habitação de São Paulo(Secovi-SP). A preferência é por cidades localizadas até 100 km da Capital, com destaque, de acordo com Cesar, para Jundiaí, Atibaia, Sorocaba e São José dos Campos.

É o caso da administradora de empresas Rita Dias, de 33 anos, que se mudou para Jundiaí há dois anos. “Eu trabalhava em São Paulo, mas não aguentava mais o trânsito, as filas nos supermercados e a insegurança.” Atualmente, Rita mora em um condomínio de casas, sendo que pagou R$ 390 mil pelo imóvel de 83 metros quadrados. “A minha filha brinca na rua, saímos e deixamos a casa aberta sem nenhuma preocupação. Eu não quero outra vida.”

Há, também, quem resolva ir para grandes polos industriais como Campinas, Bauru, Ribeirão Preto ou São José do Rio Preto. Assim fez a designer gráfica Talita Murari Freiria, de 31 anos. Ela e o marido seguiram para Ribeirão Preto em 2012, depois de a mãe mudar para a cidade.

“Terminei a faculdade, deixamos nossos empregos, o meu marido estava muito bem colocado no trabalho, inclusive, mas resolvemos mudar com a cara e a coragem. Hoje estamos muito bem e não nos arrependemos.”

Talita e o marido trocaram um apartamento de 80 m²na zona sul de São Paulo avaliado em R$ 240 mil por uma casa de 200 m², que hoje vale R$ 400 mil. “Compramos por R$ 165 mil, reformamos praticamente inteiro e conseguimos uma boa valorização. Ribeirão tem tudo o que eu preciso e jamais pensaria em retornar a São Paulo.”

Empreendimento Vox Residencial, em Campinas

Empreendimento Vox Residencial, em Campinas

O engenheiro Marcos Antonio Simonssimi, 31 anos, também resolveu ir viver em Ribeirão Preto com a família, no ano passado. “Minha mulher já trabalhava em Ribeirão e, quando eu perdi o emprego, resolvemos vir todos para cá.” Ele diz que conseguiu recolocação profissional em oito meses.

Eles moravam em um apartamento de 75 m², em São Bernardo no Campo, do ABC Paulista. Em Ribeirão optaram por, inicialmente, alugar um apartamento de 58 m² até acharem uma boa opção de compra. “Queremos avaliar com calma. Nossa ideia é comprar uma casa em um condomínio fechado.”
De acordo com Cesar, do Secovi, o preço médio do m² no interior é de R$ 5.600. Para imóveis de alto padrão, ele gira em torno de R$ 7 mil a R$ 8 mil.

Lançamentos. De olho nesse mercado, incorporadoras que têm ampla atuação na capital também estão com lançamentos no interior. Em Campinas, há empreendimentos de três empresas: Odebrecht Realizações Imobiliárias (OR), Brookfield e Helbor.

A OR Imobiliárias está comercializando o Vox Residencial. Lançado em setembro de 2013, tem duas torres que somam 162 unidades. Desse total, 13 ainda estão disponíveis. São apartamentos de alto padrão que vão de 67,32 m² a 214 m². O empreendimento foi entregue em junho deste ano. O preço sai a partir de R$ 447 mil.

A Brookfield tem o Alto da Abolição, lançado em julho, e o Uniqueness, em novembro. Com 183 unidades que vão de 60 m² a 123 m², o Alto da Abolição é um empreendimento de médio padrão. O preço do metro quadrado é de R$ 7 mil e a entrega está prevista para fevereiro de 2019. O Uniqueness tem 58 unidades que vão de 181 m² a 336m² e está previsto para ser entregue em maio de 2019. O metro quadrado sai por R$ 10 mil.

A Helbor tem o Art Vitta e o Art House Double & Sky que integram o complexo imobiliário ArtPark, que está sendo desenvolvido no bairro do Taquaral, com um conceito diferenciado que valoriza a qualidade de vida.

O Art Vitta foi lançado em 2014 e tem 134 unidades de 108 m², 134 m² ou 233 m², distribuídas em duas torres. Com entrega prevista para novembro do ano que vem, o empreendimento, de alto padrão, tem 50% dos apartamentos vendidos. O preço médio do metro quadrado é de R$ 8.849.

A Art House Double & Sky tem duas torres, 100 unidades com 188 m² de alto padrão. Desse total, 53% já foram comercializadas. Lançado em 2013, a entrega está prevista para março do ano que vem. O preço médio do metro quadrado é de R$ 9.921.

Porto São Pedro. em Porto Feliz

Porto São Pedro. em Porto Feliz

Em Ribeirão Preto, a Rossi lançou o Jardim de Versailles, em 2011. Ele tem 110 unidades (70 já foram vendidas) de 183 metros quadrados, que custam a partir de R$ 4.629,80. O empreendimento é de alto padrão e está previsto para ser entregue em fevereiro de 2017.

A empresa também tem o Ativa Villa Bella, de Paulínia. Ele tem 120 unidades (88 já comercializadas) de médio padrão, com metragem de 90 m² a 139 m². Lançada em dezembro de 2013, a obra será finalizada em maio de 2017. O preço do metro quadrado é a partir de R$ 6.125.

A Trisul tem empreendimentos em Araçatuba e São Carlos. O Horizontes Araçatuba foi lançado em duas fases. A primeira em agosto de 2009, que já foi entregue, e a segunda em novembro de 2015, prevista para ser concluída em abril do ano que vem. Ao todo o empreendimento tem 173 unidades (100 já foram vendidas) de 52 m² a 67 m². O preço do metro quadrado é de R$ 3.500.

O Vila Verde Sabará, em São Carlos, teve a primeira fase concluída em setembro de 2010 e a segunda em junho de 2015. São apartamentos e casas de 64 m² e 81m². O preço do m² é de uma unidade é de R$ 3.700.

Em unidades, Sorocaba teve mais lançamentos

A cidade de Sorocaba lidera o ranking de lançamentos no interior, segundo levantamento feitos pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), que também avaliou as cidades de Bauru, Campinas, Jundiaí, Piracicaba e São José do Rio Preto.

De acordo com o estudo, no período entre outubro de 2013 e setembro de 2016, foram lançadas 13.568 unidades verticais e 1.457 horizontais, totalizando 15.025 unidades. Na sequência aparece São José do Rio Preto que, no período de maio de 2013 e abril de 2016, registrou um total de 10.112 unidades lançadas e 8.303 vendidas.

Campinas aparece em terceiro com o total de 9.064 unidades novas e 6.432 vendidas, entre julho de 2013 e junho de 2016.

Em quarto vem Piracicaba, com um total de 8.102 unidades lançadas e 5.378 vendidas entre abril de 2013 e março de 2016. Em seguida figura Jundiaí com 7.057 unidades residenciais lançadas de novembro de 2013 a outubro de 2016, período em que foram comercializados 4.342 imóveis. Por último, aparece Bauru, com um total de 5.545 unidades verticais lançadas e 3.210 vendidas no período de janeiro de 2013 e dezembro de 2015.

Loteamentos têm preços a partir de R$ 150 o metro quadrado

As cidades de Cajamar, Araraquara, Itatiba, Porto Feliz e Cesário Lange têm loteamento com várias ofertas de terrenos, a partir de R$ 150 o metro quadrado.
A UrbPlan , empresa de loteamento, por exemplo, tem um empreendimento em Cajamar e outros em Araraquara e Itatiba. O Bella Vittà Araraquara foi lançado em 2012, tem 880 lotes a partir de 250 metros quadrados. Desse total, 480 já foram comercializados 480. O empreendimento , que foi entregue no ano passado, tem o custo médio do metro quadrado de R$ 400.

O Terras Altas Cajamar tem 90 lotes a partir de 800 metros quadrados (16 já foram vendidos), é de alto padrão, foi lançado em 2012 e entregue neste ano. O custo do m² é de R$ 320.
O Reserva Santa Rosa, em Itatiba, é um empreendimento de alto padrão com 580 lotes (560 já foram comercializados) que têm a partir de 500 metros quadrados. O loteamento foi lançado em 2008 e entregue em 2012. O preço do m² é de R$ 500.

Também em Itatiba, a Cia. City lançou o loteamento de alto padrão Fazenda Dona Carolina, com 348 terrenos de 1.250 a 4.350 m². As obras iniciaram em dezembro de 2011 e foram concluídas em 2015. Atualmente, 80% das unidades estão vendidas e o preço do metro quadrado é de R$ 500.

Porto Feliz. A Santa Rita Empreendimentos tem um loteamento em Porto Feliz, o Porto São Pedro. Ele tem 202 terrenos (30% já foi comercializado) com a metragem média de 1.500 m². O empreendimento é de alto padrão e o preço médio do m² é de R$ 400.

Em Cesário Lange, a Eixxo Empreendimentos Imobiliários Ltda está comercializando o Residencial Jatobá Cesário Lange. O loteamento possui 270 lotes, sendo que 70% já está vendido. O menor lote tem 1 mil m² e o preço médio do metro quadrado é R$ 150.
A empresa também lançará, em 2017, o loteamento Village Manaca com 440 lotes de 500 m² a 990 m². Os preços ainda não estão definidos.