Lançamentos residenciais em São Paulo perdem força no terceiro trimestre

Lançamentos residenciais em São Paulo perdem força no terceiro trimestre

Claudio Marques

21 de outubro de 2013 | 14h40

 

GUSTAVO COLTRI

O mercado imobiliário paulistano desacelerou no terceiro trimestre depois de surpreender nos primeiros seis meses de 2013. De acordo com dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), 7.241 unidades residenciais, distribuídas em 139 empreendimentos, foram lançadas em São Paulo entre julho e setembro, o que representa queda de 16,40% em relação ao resultado obtido no trimestre anterior, com seus 8.862 imóveis.

O desempenho dos lançamentos também é menor na comparação anual. Houve retração de 6,06% no número de novas unidades entre o terceiro trimestre de 2012 e o mesmo período deste ano. Nos últimos dois anos, aliás, o mercado imobiliário apresentou trajetórias distintas. Em 2012, o número de imóveis foi crescente no decorrer dos meses; já este ano teve forte expansão entre abril e junho, seguida pela atual freada.

No resultado acumulado em nove meses, 2013 ainda mantém vantagem sobre 2012, ainda que bem menor do que a verificada em junho. Em unidades lançadas, o primeiro semestre terminou com expansão de 51% na comparação anual. Hoje, o porcentual está em 25,35%. De janeiro a setembro do ano passado, 16.932 unidades na planta foram colocadas para comercialização na cidade ante 21.224 em igual intervalo deste ano.

Para o presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Claudio Bernardes, os números de retração não espantam. “Não é possível que, em uma economia crescendo 2,5%, o mercado imobiliário cresça 50%. Teria de haver um ajuste em algum momento.”

No início do ano, o Secovi-SP estimava expansão de até 10% para 2013 em relação ao ano passado. Com grandes lançamentos paulistanos no primeiro semestre, caso do Jardim das Perdizes, das incorporadoras PDG Realty e Tecnisa, as ofertas ganharam impulso. “Foi um primeiro semestre surpreendente”, diz Bernardes, que agora acredita em uma alta por volta dos 15% até dezembro.

O represamento de projetos no fim do ano passado – que também teria incrementado os lançamentos até junho – deixou de fazer efeito no mercado, na opinião do diretor da Embraesp, Luiz Paulo Pompéia. Para ele, 2013 teria um desempenho parecido com o do ano passado não fosse a dificuldade de aprovação na Prefeitura após denúncias de corrupção envolvendo o ex-diretor departamento municipal de aprovação de edificações Hussain Aref.

As unidades com menor metragem continuam no topo dos lançamentos. Houve, de julho a setembro, 3.308 unidades de dois dormitórios, 123 delas no empreendimento Estações Mooca, da incorporadora Even. O edifício terá ainda apartamentos de três dormitórios e metragens variando de 45 m² a 59 m².

Mais populares entre os diversos produtos do mercado, as unidades de dois dormitórios tiveram um bom resultado no terceiro trimestre ante o período imediatamente anterior, de abril a julho. A quantidade de imóveis ofertados nessa tipologia é 58,89% superior à colocada à venda no segundo trimestre. Quando a comparação é anual, porém, há recuo de 20%.

Os compactos com até um dormitório ocupam a segunda colocação entre as novas unidades no período, com 1.881 ofertas, mantendo movimento de alta verificado em todo este ano. De julho a setembro, eles foram 61,60% mais numerosos do que no mesmo intervalo de 2012.

As tipologias maiores não passam por um bom momento em relação a outras épocas. Os imóveis de três dormitórios somaram 1.862 unidades, número quase tão grande quanto o dos compactos, mas 10,57% inferior ao verificado de abril a junho e 3,92% ao apurado de julho a setembro do ano passado. O cenário é ainda mais nebuloso entre os imóveis de quatro dormitórios. Eles representam apenas 190 unidades, queda de 70,63% ante o segundo trimestres e de 57,87% comparado com a terceira porção de 2012. “A tendência desses apartamentos menores é a tendência da sociedade”, diz o coordenador do curso de pós-graduação em negócios imobiliários da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), Ricardo Gonçalves.

VEJA TAMBÉM

Setembro atinge o segundo melhor resultado desde janeiro

Tudo o que sabemos sobre:

imóveislançamentos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: