Móveis de apartamentos decorados vão a leilão com até 90% de desconto

Móveis de apartamentos decorados vão a leilão com até 90% de desconto

Itens vão de torneira a eletrodomésticos, mas não incluem nota fiscal nem garantia; incorporadoras também apostam na venda do apartamento decorado

Juliana Martins

29 de setembro de 2019 | 06h00

Especial para o Estado

O primeiro passo para construir um lar é encontrar o apartamento ideal. Depois, mobiliar os cômodos. Nessa fase, para quem já gastou demais com o imóvel e quer economizar, plataformas de leilões online oferecem móveis e itens de decoração mais baratos diretamente dos showrooms montados pelas construtoras, caso de MRV, Gafisa, Setin, Cyrela, Tegra, Zarvos e Tarjab. Outras, como Trisul e Danpris, apostam na venda casada do apartamento já decorado.

Seguindo a onda dos chamados “desapegos”, em que a procura por itens usados para reaproveitamento tem aumentado, os leilões virtuais atraem consumidores com móveis, itens de marcenaria, eletroeletrônicos e eletrodomésticos custando até 90% a menos que o valor original. São produtos que ficam em exposição nos apartamentos decorados de construtoras e incorporadoras somente no período de comercialização dos imóveis.

Em alguns casos, o lance inicial para começar a negociação do produto é de R$ 15. Quem dá o maior lance leva o item, mas precisa arcar com os custos de retirada no depósito do leilão. Justamente por não serem ligados à tomada durante a estada no showroom, os eletrodomésticos costumam ser os itens em melhor estado e, consequentemente, os mais procurados, segundo as plataformas de leilão Sold e Lance Total. Em seguida, estão materiais como vaso sanitário, torneira, corrimão, vidro para janelas, entre outros itens básicos.

Itens de imóvel decorado da incorporadora MRV em São Paulo. Foto: Vagner da Costa

“Até 50% de desconto eu acredito que seja interessante. Mas depende do produto. Se a peça for uma marcenaria, por exemplo, é preciso botar na ponta do lápis o custo de mão de obra para montar e desmontar, além do valor do frete”, recomenda Angelica Mieko, leiloeira da Lance Total.

Para fazer esse tipo de compra, o leiloeiro da Sold Henri Zylberstajn alerta que é preciso ter atenção para o barato não sair mais caro do que o previsto. Dentre as recomendações estão ler com calma o edital do leilão para entender as condições da venda, conferir pessoalmente o estado dos itens no estande do leilão, além de fazer uma pesquisa prévia de preços, já que os itens vendidos não possuem nota fiscal nem garantia.

“É importante que, após todos esses cuidados, o consumidor tenha certeza da compra que está fazendo. Em caso de desistência após o arremate, é cobrada uma multa, que pode chegar a 20% do valor do produto”, diz Henri.

Custos para as construtoras

Na Sold, os leilões desse tipo começaram com o boom do mercado imobiliário em 2008. De 2010 a 2013, a empresa chegou a fazer 1.200 leilões de apartamentos decorados. Mas, após uma queda drástica em 2015, o volume atual ensaia uma retomada, com a previsão de fechar 2019 com 200 leilões realizados.

Essa forma de venda facilita não só a vida dos consumidores, mas principalmente a de construtoras como a MRV, que, só na decoração do showroom (o chamado apartamento decorado) – sem considerar a construção da estrutura física – investe em média R$ 45 mil. Com o leilão, pelo menos 40% do valor total é recuperado.

Itens de imóvel decorado da MRV em São Paulo. Foto: Vagner da Costa

“A gente vende por um valor mais baixo, com certeza, mas pelo menos não perdemos os itens. Antes, quando a estratégia era armazenar até o próximo lançamento, acabávamos tendo que gastar muito para recuperar os objetos danificados no transporte ou com o tempo”, conta Carolina Pessoa, gestora de lançamentos da MRV.

Compra de apartamento completo

Um outro caminho que facilita a vida do morador que quer decorar e também ajuda a incorporadora a dar um destino aos móveis do showroom é a venda do apartamento decorado. A demanda por esse tipo de compra vem crescendo, dizem as construtoras, principalmente entre o público de classe média alta, que prefere desembolsar um pouco mais pela conveniência de entrar em um imóvel pronto para morar.

A Trisul e a Danpris apostam nessa venda casada. A estratégia é migrar os itens do decorado do estande para um apartamento já no terreno do prédio, normalmente de seis meses a um ano do início da obra – quando o térreo já está construído. Desse jeito, a venda completa faz com que toda a decoração e a mobília saiam com um desconto de 60% dos preços originais.

Na Trisul, depois dessa venda, a empresa fica sem prejuízo sobre o valor investido no showroom. No caso dos futuros moradores, o preço do apartamento sobe de 1% a 2% em relação ao valor do imóvel vazio. Entre os recentes lançamentos da Trisul em que o decorado foi colocado à venda, está o empreendimento Synthesis Pinheiros, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo.

“A Trisul praticamente parou de fazer leilões. Conseguimos montar o apartamento já na torre em construção. Investimos em torno de 2,5% do valor total do empreendimento no decorado, então quanto maior for o valor recuperado, melhor”, afirma o superintendente de Marketing da empresa, Lucas Araujo.

Dicas para comprar em leilão

  1. In loco. Visite o estande do leilão para conferir o estado e o tamanho dos itens leiloados
  2. Valor. Pesquise o preço do item no site da marca, para conferir se o desconto vale a pena

  3. Extra. Calcule se o custo com a retirada do item e o frete não torna o original mais vantajoso

  4. Medidas. Verifique se é possível entrar com o móvel e montá-lo em seu apartamento

 

SERVIÇO

Na Sold
– Cyrela: lances até as 14h35 de 30/9
– Idea!Zarvos: lances até as 16h de 14/10

Na Lance Total
– Tegra: lances até as 11h de 30/9
– Tegra: lances até as 11h de 2/10

Tudo o que sabemos sobre:

móveismobiliadoLeilãoshowroomdecorados

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: