Painéis solares em condomínios atraem com economia na conta

Painéis solares em condomínios atraem com economia na conta

Energia renovável, que viu adesão crescer 212% no Brasil em 2019, pode servir áreas comuns e apartamentos; projetos novos atraem jovens de olho no selo de sustentabilidade

Bianca Zanatta

15 de novembro de 2020 | 05h00

Especial para o Estado

Uma pesquisa realizada no final do primeiro trimestre de 2020 pelo Ibope a pedido da Abraceel (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia) apontou que 90% dos brasileiros gostariam de substituir o consumo de energia elétrica por energia solar, eólica ou outra fonte renovável. O resultado do levantamento confirma uma tendência ainda tímida, considerado o potencial do País para captação e geração de energia solar, mas que vem ganhando força em números relativos. Segundo dados da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), a adesão ao sistema cresceu mais de 212% em 2019, totalizando 110.997 novas instalações.

Como as vantagens vão desde economia na conta de luz e autonomia energética até impacto zero para o ambiente, não só indústrias e empresas estão apostando na mudança, como também condomínios residenciais. “Os condomínios têm procurado cada vez mais a solução porque a conta fecha”, afirma Maria Claudia Buarraj, gerente do departamento de sustentabilidade do Grupo Graiche.

Com a demanda crescente, a administradora passou a orientar os síndicos sobre o processo de instalação do sistema, que deve contemplar passos como avaliação técnica das áreas que podem receber os painéis solares e aprovação do orçamento em assembleia.

“Tem desde sistemas menores que alimentam só as áreas comuns até aqueles em que dá para instalar mais placas e um boiler para fornecer água quente para todo o prédio”, exemplifica ela. “A médio ou longo prazo, o investimento volta porque a economia é muito significativa.”

Um exemplo de implantação da alternativa renovável é um condomínio localizado na Vila Andrade, zona sul de São Paulo, que possui duas torres e 298 unidades. Segundo o síndico Carlos Azevedo, de 57 anos, a piscina climatizada era mantida por aquecedores a gás e o valor vinha à parte, discriminado no boleto. O gasto girava em torno de R$ 60 mensais por apartamento.

“A ideia de mudar para o sistema de energia solar veio da demanda dos próprios moradores. O custo estava muito alto e a gente não conseguia negociar uma redução.”

Carlos Azevedo, síndico de um condomínio que implementou a alternativa renovável. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Após um estudo de viabilidade técnica, negociações e aprovação em assembleia, foram instaladas 60 placas no topo de uma das torres, com capacidade de fornecer 2 mil kVA. O investimento total foi de cerca de R$ 151 mil, entre equipamentos, adaptações elétrica e hidráulica e serviços de instalação.

“Como 1,6 mil kVA já eram suficientes para manter a piscina aquecida o ano todo, mesmo nos dias mais frios e nublados, conseguimos economizar 400 kVA para as áreas comuns do prédio”, comemora o síndico, que estima uma redução de custos de R$ 110 mil em 10 anos graças ao novo sistema. Depois disso, a economia só aumenta, já que a vida útil média das placas é de 25 anos. “Agora estamos estudando o que dá para colocar na outra torre para economizar mais”, diz.

Energia solar no DNA

Uma das pioneiras no retorno do mercado de imóveis no centro de São Paulo, a construtora TPA optou por entregar o sistema de painéis solares pronto quando a Prefeitura passou a exigir que novos empreendimentos previssem áreas para essa alternativa de fornecimento energético (lei aprovada em 2008 durante gestão de Gilberto Kassab).

Ao todo, já são quatro empreendimentos com o sistema incorporado: Home Bikers e Griffe, que ficam no bairro da Bela Vista, e AMPM e Sky, localizados na Santa Ifigênia.

As 60 placas no topo da torre podem trazer uma redução de custos de R$ 110 mil em 10 anos. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

“É a tendência e os clientes, principalmente essa nova geração, cobram muito projetos sustentáveis”, conta Luciana Santos, gerente de projetos da construtora, que optou por fazer a implantação completa na laje de cobertura dos prédios. Como a área não suporta painéis suficientes para abastecer a demanda de água quente de todos os apartamentos, ela fala que foi projetada uma solução conjugada com aquecedores a gás.

“Nosso sistema atende os chuveiros e a torneira da cozinha”, explica. “As placas solares mandam energia para aquecer a água acumulada em tanques e, quando necessário, os aquecedores a gás entram para manter o aquecimento.”

Outro empreendimento que já deve nascer com tecnologia solar é o Grand Habitarte, da incorporadora Yuny, com previsão de entrega para 2022. O sistema vai aquecer as três piscinas – duas ao ar livre e uma coberta – e todos os chuveiros das unidades autônomas. Já no caso da MAC, a solução foi preparar a área para receber o sistema de painéis e deixar que o condomínio decida sobre a instalação. “A MAC entrega a infraestrutura e espaços para que o condomínio possa instalar as placas solares para integrar o sistema de aquecimento de água dos apartamentos”, diz a diretora de incorporação Andrea Possi.

A construtora já projetou dois empreendimentos no novo formato: o prédio de estúdios Is Moema e o Loadd Coliving, ambos em construção em bairros da zona sul da capital paulista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: