Preços estáveis atraem no litoral paulista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Preços estáveis atraem no litoral paulista

De acordo com profissionais que atuam na região, momento é propício para quem deseja comprar ou vender um imóvel na costa

Claudio Marques

11 de dezembro de 2016 | 07h21

Vista aérea do Guarujá. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Vista aérea do Guarujá. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Márcia Rodrigues / ESPECIAL PARA O ESTADO
Aproveitar a época das festas e as férias para pesquisar um imóvel para comprar no litoral é uma estratégia adotada por interessados em ter um apartamento na praia. Segundo profissionais que atuam nesse mercado, os preços ainda estão competitivos. Para Frederico Marcondes César, diretor regional do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) na Região Metropolitana do Vale do Paraíba, e que tem em sua área o Litoral Norte paulista, o momento está propício para o comprador, diferentemente do que se via nos anos 2012 e 2013.  “Os preços estão estáveis e o mercado estima que, a partir do meio do ano que vem, os preços devem começar a subir novamente”, afirma.
De acordo com ele, como não houve grandes lançamentos nos últimos dois anos e, por isso, com a sinalização de que o mercado deve melhorar a partir do meio do próximo ano, as ofertas serão menores e os preços tenderão a aumentar.
César diz que nos três municípios do Litoral Norte, os mercados de Caraguatatuba e São Sebastião foram os que mais cresceram, principalmente na área de apartamentos mais compactos e econômicos. “Em Ubatuba, porém, também houve valorização. Esse mercado oferece produtos voltados para as classes média e alta.” O Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) calcula que o preço do metro quadrado está entre R$ 4 mil e R$ 5 mil, na média, na região.
Baixada Santista
Carlos Meschini, diretor regional do Secovi na Baixada Santista, acredita que ainda é possível comprar imóveis com descontos que giram de 5% a 20%, dependendo da forma de pagamento e da necessidade do proprietário, nessa região.
“É um momento muito positivo para quem quer comprar uma casa de veraneio ou, até mesmo, a primeira residência no litoral. Principalmente para quem está interessado em comprar um imóvel novo, que garante mais facilidade para o financiamento, por exemplo.”
Meschini afirma que, normalmente, vende-se mais imóveis nesta época do ano, mas as construtoras não estão esperando grandes resultados.
Levantamento feito pelo Secoviaponta que foram lançadas 15.413 unidades nos municípios de Santos, Guarujá, Praia Grande e São Vicente no período de julho de 2013 a junho de 2016. No mesmo período, foram comercializados 9.413 apartamentos, gerando uma oferta final de 6 mil novas unidades.
Ao medir a participação das cidades, a pesquisa relata que a Praia Grande registrou o melhor desempenho no volume de unidades lançadas (45%) e vendidas (mais de 50%).
Na sequência aparece Santos com 36% do total de novos apartamentos da região e 33% do montante comercializado. Depois vem Guarujá com 15% e 13%, e São Vicente com 4% e 4%, respectivamente.
Em relação à tipologia, no período em questão lideraram os lançamentos de imóveis com dois dormitórios (50%), que também registraram o porcentual de 53% das vendas. O segmento com um dormitório vem na sequência, com 20% dos novos empreendimentos e 19% de participação, e, por último, aparecem os apartamentos com três dormitórios com 19% dos lançamentos e 18% das comercializações.
Em relação aos valores,    os preços médios totais no período foram de R$ 316.00,25 (um dormitório), R$ 183.518 (um quarto econômico), R$ 406.332 (dois dormitórios), R$ 202.609 (dois quartos econômicos), R$ 716.545 (três dormitórios) e R$ 2.079.583 (quatro quartos).
Ao analisar o preço médio por metro quadrado, estimado em junho deste ano, os valores ficaram em R$ 5.494 (um dormitório), R$ 4.538 (um quarto econômico), R$ 5.269 (dois dormitórios), R$ 3.858 (dois quartos econômicos), R$ 6.162 (três dormitórios) e R$ 7.573 (quatro dormitórios).
O valor global de vendas alcançado nos últimos 36 meses na Baixada Santista foi de R$ 4,1 bilhões. O maior volume de comercialização ficou concentrado nos imóveis de dois dormitórios (R$ 1,979 bilhão), seguido por unidades com três quartos (R$ 1,225 bilhão), um dormitório (R$ 604 milhões), quatro quartos (R$ 140 milhões), dois dormitórios econômicos (R$ 133 milhões) e um dormitório econômico (35 milhões).

Fachada do empreendimento My Way Ponta da Praia, da incorporadora Helbor Hélio Norio/Divulgação/Helbo

Fachada do empreendimento My Way Ponta da Praia, da incorporadora Helbor – Hélio Norio/Divulgação/Helbor

Empreendimentos
A Yuny Incorporadora construiu o Unlimited Ocean Front na orla de Santos, o maior mercado do litoral. Localizado na Avenida Presidente Wilson, 92, entre os canais 1 e 2, na Praia do José Menino, o empreendimento, de alto padrão, tem uma torre residencial e traz 471 apartamentos, de um, dois e três dormitórios (de 45 m² a 130 m²), distribuídos em 33 andares. Lançado em 2013, ele está com 80% das unidades comercializadas. O preço do m² custa a partir de R$ 10 mil.
Outra empresa, a incorporadora Helbor, está comercializando o residencial My Way Ponta da Praia, localizado na Rua Dr. Egydio Martins, 160, no bairro Ponta da Praia. O empreendimento é de médio padrão, foi lançado em 2011 e tem 216 unidades com metragem de 48 m² a 77 m². Desse total, 95% já foram comercializadas. Ele foi entregue em março do ano passado. A empresa não revela o custo do metro quadrado.
A Odebrecht Realizações Imobiliárias lançou dois empreendimentos na Baixada Santista, mas somente um deles, o Legend, ainda tem unidades disponíveis para comprar.
Localizado na Avenida Ana Costa, na Praia do Gonzaga, o Legend foi lançado em 2011 e entregue em 2015. O empreendimento, de alto padrão, tem 310 unidades e apenas duas ainda estão disponíveis. Uma delas tem 57 m² e um dormitório e a outra tem 125 m², também com um dormitório. Ambas custam a partir de R$ 6.900 o m².