Torres empresariais são ‘novo patamar’ na Barra da Tijuca
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Torres empresariais são ‘novo patamar’ na Barra da Tijuca

Complexo com 75 mil m2 de área construída apresenta linguagem arquitetônica contemporânea

Claudio Marques

01 Setembro 2016 | 14h41

Arquitetura destaca torres escalonadas do centro empresarial da Barra - Foto: Divulgação / Brookfield

Arquitetura destaca torres escalonadas do centro empresarial da Barra – Foto: Divulgação / Brookfield

As torres do Worldwide Offices, da Brookfield, foram premiadas como “um novo patamar de empreendimento comercial no Centro Metropolitano da Barra”. O empreendimento, concebido como centro empresarial de vanguarda, tem 75 mil m² de área construída na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.
“Seu projeto – de autoria de Paulo Casé – apresenta escalonamento de torres em linguagem arquitetônica contemporânea, com agradável efeito estético”, diz o voto da comissão julgadora. “As interfaces geradas pelos lobbies, com a praça central e os acessos do complexo, buscam resgatar os valores do convívio e fazem do empreendimento uma referência na sua área de influência primária.”
O Worldwide retoma a perspectiva do urbanista Lúcio Costa, que, no século passado, idealizou a ocupação da Barra da Tijuca com o chamado Centro Metropolitano, cujo objetivo é aproximar os locais de moradia das atividades empresariais.
É o conceito centralidade urbana, explica diretor da unidade de negócios Rio de Janeiro da Brookfield Incorporações, Marco Adnet. “Aquela região foi planejada para ser o centro do Rio”, diz, ao comentar que ali já é um centro geográfico. “No tempo do plano do Lúcio Costa, faltava um vetor de crescimento da cidade, faltava integração com essa região.”
Isso mudou, segundo Adnet. O metrô chegou e vias de BRT conectam a Barra ao centro em 30 minutos. “A região passou a ter visibilidade”, diz. E uma ocupação de acordo com planejamento feito mais de 40 anos atrás. Agrega num mesmo local prédios comerciais, shoppings centers hospitais, hotéis, arenas olímpicas, vias com oito pistas, ciclovias.
“Na Brookfield, estamos chamando de Barra legado”, diz. “É uma nova região da Barra que vai receber o melhor legado.”
A valorização, segundo ele, ocorre em função do transporte ter chegado, com BRT, metrô e conexão com regiões mais distantes. “Isso deu à Barra o aumento da demanda por imóveis residenciais e da ocupação de prédios comerciais.”
Segundo Adnet, a Brookfield saiu na frente. O Worldwide Offices, com salas comerciais e lajes corporativas, ficou pronto em outubro de 2015. São 682 unidades. No Centro Metropolitano, há outros empreendimentos da Brookfield. O edifício One World Office, em construção, tem salas comerciais e lojas de 25 a 222 m² e fica na quadra de trás do Worldwide.
“Também temos o Union Square e o Soho”, diz. Ambos estão em construção. São residenciais com lojas no térreo. “Ocupamos quatro quadras do Centro Metropolitano, criando convivência entre quem trabalha e quem mora, com lojas de conveniência, salas para profissionais liberais, prédios corporativos e apartamentos.”

Mais conteúdo sobre:

Prêmio Master Imobiliário