As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

2014, o ano dos tablets e dos smartphones

Mariana Congo

05 de fevereiro de 2014 | 17h16

Os tablets e os smartphones ganharão ainda mais importância no mercado brasileiro de aparelhos com conexão à internet neste ano.

A venda de tablets deve superar a de notebooks pela primeira vez no Brasil, segundo previsão da consultoria IDC. Serão 10,7 milhões de novos tablets vendidos em 2014, contra 8,8 milhões de notebooks. No ano passado, os tablets já haviam superado a venda de desktops.

O sucesso dos tablets não é à toa. Os preços são em média mais baixos que os dos notebooks. Além disso, a maioria dos consumidores está realizando a sua primeira compra, enquanto para notebook geralmente a aquisição é para troca do aparelho. “O avanço tecnológico também permite aos consumidores passarem três, quatro anos com o mesmo notebook. No passado, ele ficava ultrapassado mais rápido. Hoje, a reposição é mais lenta”, diz o analista de dispositivos de tecnologia de consumo da IDC Bruno Freitas.

Ao mesmo tempo, Freitas ponderou que as vendas dos dois aparelhos devem seguir uma trajetória de crescimento e que os dispositivos não são necessariamente concorrentes. “As pessoas estão mais conectadas e fazem isso por meio de dispositivos diferentes”, explicou.

A venda de smartphones será cerca de 10 vezes maior que a de computadores, totalizando 47 milhões de aparelhos. Dos celulares vendidos, 73% serão smartphones em 2014, contra 51% em 2013.

Tchau, telefone fixo. A receita das operadoras com telefonia fixa deve cair 2,4% neste ano, prevê o IDC. Já as ligações via celular poderão crescer 11,4%.

Olá, banda larga. O faturamento com serviços de dados fixos (internet para computadores, principalmente) poderá crescer 9,7%. Mas isso ainda é pouco frente à possibilidade de crescimento do setor de dados móveis (3G e 4G): 21%.

(Com informações de Circe Bonatelli, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

IDCnotebooksmarphonetablet

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.