As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ações do Groupon sobem com otimismo sobre nova estratégia

nayarasampaio

14 de junho de 2013 | 17h21

As ações do maior site de compras coletivas Groupon subiram mais de 10% nesta sexta-feira, 14, para a maior cotação em quase um ano. Por volta das 17h16, os papeis da empresa era negociados a US$ 7,75, em alta de 12,87%.

Em novembro passado, a empresa viu o preço de suas ações derreterem até US$ 2,60, apenas um ano  após a estreia na bolsa de valores Nasdaq. No dia do lançamento público de ações (IPO, em inglês), o preço da ação era US$ 20, lembra o site MarketWatch.

A valorização do Groupon na bolsa hoje veio depois de analistas do Deutsche Bank alimentarem o otimismo dos investidores em relação à recente mudança de estratégia adotada pela empresa.

Mudança

A abordagem original do Groupon consistia no envio de e-mails diários para os assinantes com ofertas de descontos em serviços locais, como refeições em restaurantes, aulas de yoga e manicure.

Mas no ano passado a empresa mudou de rumo, construindo um grande banco de dados online com ofertas de maior prazo, que podem ser pesquisadas no site.

Além disso, a companhia ampliou sua estratégia para dispositivos móveis. Seu aplicativo para iPhone e Android teve 7 milhões de downloads no primeiro trimestre do ano. O segmento mobile representou 45% dos negócios da empresa na América do Norte.

Os analistas do Deutsche Bank apostam que o Groupon tem potencial para crescer mais de 20% em faturamento, com isso, elevaram a classificação da empresa de manutenção para compra e aumentaram o preço-alvo da ação de US$ 6 para US$ 10.

Na maior alta do dia, o papel atingiu US$ 8,03 – a maior cotação desde julho de 2012. O Groupon está presente em 47 países e em 50 cidades brasileiras.

(Com Reuters / Imagem: Divulgação)

 –

VEJA TAMBÉM

Caxirola ganha versão digital; veja 4 aplicativos grátis

Indústria de games mostra otimismo na E3

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.