As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Google Maps expande visualização em alta resolução para mais locais

Nayara Fraga

28 de setembro de 2012 | 17h25

Atualizado às 17h48

Se de um lado o presidente da Apple, Tim Cook, reconhece os erros do aplicativo de mapas da companhia, de outro o Google comemora as virtudes de seu Google Maps. A líder em buscas divulgou nesta sexta-feira, 28, uma atualização para vista aérea e de satélite para 17 cidades e 112 países. O Brasil está entre as regiões agora exibidas com imagens mais definidas, conforme lista publicada no Lat Long, blog oficial do Google Maps.

O blog destaca a imagem da vista de satélite de Citadel de Lille, na França — uma fortaleza militar construída em 1668 e desenhada pelo engenheiro militar Sébastien Le Prestre de Vauban:

Lille_Citadel_LowRES.jpg

O Google também anunciou imagens de locais em ângulo de 45 graus para 37 cidades dos Estados Unidos e 14 pontos de outros países. A nova vista para a Torre de Pisa:

googlemaps_torre_pisa_1.jpg

“Nosso esforço em criar o mapa mais extenso e preciso do mundo continua em andamento, mas nós estamos felizes por fazer uma pausa para compartilhar com vocês alguns progressos incríveis que nossas equipes de mapas do Google Maps e Earth fizeram recentemente”, diz Bernd Steinert, o especialista em geo data do Google que assina o post.

O Google Maps esteve presente como aplicativo nativo nos aparelhos da Apple até este mês. No iOS 6, nova versão do sistema operacional (lançado na semana passada), a empresa apresenta seu próprio aplicativo de mapas no lugar do Google Maps. Mas as críticas foram inúmeras — resolução ruim, identificação equivocada de endereços, ausência de informação sobre transporte público, entre outros. Usuários em diversos países encontraram erros que viraram piada na web.


VEJA TAMBÉM

Novo sistema do iPhone deixa Google Maps de fora

Tudo o que sabemos sobre:

AppleApple MapsGoogleGoogle Maps

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.