As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

BlackBerry lança ferramenta de trabalho para Android e Apple

Mariana Congo

25 de junho de 2013 | 15h19

A BlackBerry lançou nesta terça-feira, 25, uma ferramenta que promete conquistar clientes corporativos que usam aparelhos de empresas rivais, como a Apple, Samsung e demais smartphones Android, sistema operacional do Google.


Modelo Q10, um dos lançamentos deste ano (Imagem: Reprodução/BlackBerry)

O serviço é chamado Secure Work Space (espaço de trabalho seguro) e permite que empresas e agências governamentais clientes da BlackBerry administrem os dados e os aplicativos de trabalho usados pelos funcionários em seus aparelhos pessoais.

Com a ferramenta, o usuário faz um login no espaço de trabalho da BlackBerry e acessa funções como e-mail, contatos, calendário, gestão de documentos e navegador na web. O sistema é controlado por meio da plataforma de gestão BlackBerry Enterprise Service (BES) 10, lançada em janeiro deste ano juntamente com o sistema operacional BlackBerry 10 e os aparelhos Z10, Q5 e Q10.

Recuperar espaço

A estratégia da BlackBerry é garantir segurança na gestão de dados corporativos por meio do Secure Work Space. O serviço chegará ao mercado ainda em meados deste ano e poderá ajudar a empresa a recuperar seu espaço no mercado.

Segundo reportagem da Reuters, mais de 60% das 500 maiores empresas dos Estados Unidos (da lista da revista Fortune) estão testando ou usando o sistema de gestão BES 10.

De acordo com a BlackBerry, a instalação do software de gestão BES 10 é gratuita. Já a licença para o uso da ferramenta de trabalho Secure Work Space custará US$ 99 por aparelho.

O vídeo mostra como funciona o Secure Work Space:

No mercado

As ações da BlackBerry na bolsa de valores da Nasdaq são negociadas em alta nesta terça-feira. Por volta de 14h57, estavam cotadas a US$ 14,38, em alta de 1,98%.

VEJA TAMBÉM

Samsung lança ‘câmera-smartphone’ Galaxy e linha de produtos Ativ, com Windows 8

iPad Mini chega ao Brasil oito meses depois

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.