finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Com US$ 25 mi, o pequeno BranchOut já rivaliza com LinkedIn

Aplicativo permite estabelecer contatos profissionais por meio do Facebook

Carla Miranda

19 de abril de 2012 | 18h35

O BranchOut, um aplicativo para Facebook que serve para estabelecer contatos profissionais, anunciou nesta quinta-feira que recebeu investimentos de US$ 25 milhões. Com a notícia, o produto já é visto como uma ameaça ao LinkedIn, rede com função similar.

Com o aporte de capital, o BranchOut dobra o seu valor, atingindo US$ 49 milhões. Em números absolutos, ainda é minúsculo em comparação com o LinkedIn, cujo valor de mercado está perto de US$ 11 bilhões.

Porém, o BranchOut informou que ganha 2 milhões de novos usuários por semana, em média, desde fevereiro, quando o aplicativo foi habilitado para ser usado em celulares. Hoje, tem 25 milhões de pessoas cadastradas, segundo o anúncio oficial. O LinkedIn tem 150 milhões.

Para Mike Fossum, do site WebProNews, a taxa de crescimento é “indica que é uma alternativa viável ao LinkedIn”. Na mesma linha, o comentarista da Forbes Tom Taulli escreveu um post em seu blog com o título “BranchOut parece destronar o LinkedIn”. Uma análise no Business Insider sugere que o LinkedIn compre seu rival em ascensão antes que o Facebook o faça.

Aqueles que veem grande potencial no BranchOut baseiam-se no argumento de que esse aplicativo tem como usuários potenciais as mais de 800 milhões de pessoas já cadastradas no Facebook. A adesão de um pequeno grupo ao BranchOut pode ser a faísca necessária para o aplicativo se espalhar pela rede como fogo em um palheiro.

“O LinkedIn é alguém que eu conheço por cinco minutos em uma conferência. O Facebook são os meus amigos, a minha família, minha rede profissional. Essas são as pessoas que vão se mexer e me ajudar a conseguir um emprego”, disse o presidente do BranchOut, Rick Marini, conforme registrado em sites como o Business Insider.

Tudo o que sabemos sobre:

BranchOutFacebookLinkedIn

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.