Conheça o escritório do LinkedIn no Brasil
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Conheça o escritório do LinkedIn no Brasil

Mariana Congo

12 de agosto de 2013 | 10h55

O LinkedIn já tem representação no Brasil desde novembro de 2011, mas só agora – quando a operação brasileira também se tornou responsável pela América Latina – inaugurou uma sede própria, com espaço para crescer.

VEJA TAMBÉM
Um passeio pela sede do Facebook no BrasilConheça o novo escritório do Google em São Paulo

O desafio por aqui é aumentar a receita gerada a partir dos serviços para os 13 milhões de usuários brasileiros (o terceiro maior mercado do LinkedIn). Por enquanto, a região da América Latina (juntamente com o Canadá), responde pela menor fatia de receitas da empresa: 7%, contra 62% dos Estados Unidos.

O novo escritório fica em São Paulo, na região de Pinheiros, e foi aberto em julho. Hoje tem 55 funcionários, mas é esperado um ritmo alto de contratações neste ano e ao longo de 2014. A principal atividade da sede brasileira é de vendas das soluções de recrutamento para empresas e de publicidade. Aos poucos, o escritório brasileiro vai assumir todas as vendas para América Latina, que antes eram realizadas por uma empresa parceira fora do País.

Um passeio

LinkedIn inaugura escritório no Brasil

A sede do LinkedIn no Brasil segue os conceitos típicos de escritórios de empresas de tecnologia: horários flexíveis, ambiente descontraído, uma mini-cozinha sempre abastecida (onde há também uma mesa de pingue-pongue). As salas de reunião foram batizadas com nomes de praias brasileiras e, uma vez a cada quinze dias, todos participam de uma videoconferência com o CEO do LinkedIn, Jeff Weiner.

Conheça a sede do LinkedIn no Brasil

Conheça a sede do LinkedIn em São Paulo

Conheça o escritório do LinkedIn no Brasil

Como é a sede do LinkedIn em São Paulo

Conheça o escritório do LinkedIn no Brasil

(Fotos: Werther Santana/Estadão)

VEJA TAMBÉM

Tablets de R$ 500 lideram no Brasil

Emprego vira ‘ciência’ e negócio para startups

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.