Dados sobre TV digital e uso de internet via celular farão parte da Pnad, do IBGE

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dados sobre TV digital e uso de internet via celular farão parte da Pnad, do IBGE

Mariana Congo

29 de outubro de 2013 | 17h10

TV por assinatura vai entrar na Pnad, do IBGE

O acesso à TV digital e à TV por assinatura, assim como o uso do celular para entrar na internet são assuntos que entrarão, a partir de agora, na pauta de uma das principais pesquisas de dados socioeconômicos do Brasil.

A Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) é realizada anualmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A coleta de dados em 2013 começou oficialmente hoje em todo o Brasil. Mais de 150 mil domicílios serão visitados.

Pela primeira vez a Pnad vai incluir questões como: televisão tela fina ou tubo? TV aberta ou por assinatura? Antena parabólica? Sinal digital? O governo espera ter informação suficiente para a implantação do Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) pelo Ministério das Comunicações, e o consequente desligamento do sinal analógico de TV aberta.

“De 2015 a 2018 haverá transição completa para TV digital, e nós precisamos saber qual é a capacidade dos domicílios de receber esse sinal digital, para que ninguém fique sem TV quando a gente desligar o sinal analógico”, destaca o assessor especial da Secretaria Executiva do Ministério das Comunicações, Danilo Bertazzi.

Internet no celular. A Pnad 2013 também ampliará a investigação sobre o acesso à internet. Qual o dispositivo é utilizado para acessar a internet (celular, tablet, computador, TV ou outro equipamento eletrônico)? Qual o tipo de conexão (3G, 4G, discada ou banda larga)?. O governo espera usar esses dados para auxiliar na melhoria do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), do Ministério das Comunicações.

“A Pnad é a principal fonte de indicadores socioeconômicos e tem de evoluir com o passar do tempo. As realidades de televisão digital e acesso à internet não estavam contempladas nas pesquisas anteriores”, afirma Bertazzi. “Praticamente 60% dos acessos à internet são feitos por dispositivos móveis, e isso não estava contemplado na Pnad. Obter essas informações é muito importante para nós para ampliar o acesso à banda larga”, acrescenta Bertazzi.

Histórico. Em 2005 a pesquisa incluiu, pela primeira vez, perguntas sobre acesso à internet e posse de celular para uso pessoal. Em 2008 e 2011 a Pnad realizou, novamente, levantamentos sobre os dois temas.

Segundo os dados da Pnad 2011, 115,4 milhões de brasileiros (ou 69,1% da população) com 10 anos ou mais de idade que têm celular de uso pessoal. Já a proporção de pessoas que têm acesso a internet passou de 20,9%, em 2005, para 46,5% da população em 2011. A pesquisa mostrou que o crescimento foi mais forte entre a população de baixa renda.

A pesquisa. A Pnad levanta informações anuais sobre emprego, rendimento, saneamento básico, educação e alfabetização, demografia, migração e bens duráveis existentes nos domicílios, entre outros temas. “É preciso estimular a população a atender o IBGE, pois é a partir dessas informações que se constrói o cenário para a formulação de políticas públicas”, ressalta o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo. A fase de coleta de dados da Pnad termina em dezembro. Até lá, cerca de dois mil entrevistadores identificados vão visitar os domicílios selecionados para a pesquisa. Os resultados serão divulgados a partir de setembro de 2014.

(Com informações de Idiana Tomazelli, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

IBGEPnad

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.