Icahn desiste da Dell e abre caminho para venda da empresa para seu fundador

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Icahn desiste da Dell e abre caminho para venda da empresa para seu fundador

Nayara Fraga

09 de setembro de 2013 | 15h48

O investidor Carl Icahn desistiu de seu plano para a recapitalização da fabricante de computadores Dell, o que abre caminho para que a empresa seja comprada por seu fundador, Michael Dell, em parceria com o fundo de private equity Silver Lake.

Em uma carta enviada para os acionistas da Dell antes da votação na quinta-feira, 11, que vai definir o futuro da companhia, Icahn compara o conselho administrativo da empresa a uma “ditadura”.

Michael Dell e Carl Icahn disputam controle de Dell desde fevereiro
MICHAEL DELL E CARL ICAHN DISPUTAM CONTROLE DA DELL DESDE FEVEREIRO (Foto: AP Photo)

Os acionistas da Dell devem votar essa semana sobre a oferta de compra de US$ 24,8 bilhões feita por Michael Dell. Apesar de ainda se opor ao acordo, Icahn disse que seria “quase impossível” vencer a votação e afirmou que vai continuar tentando defender seus direitos como acionista. Segundo ele, o fato de Michael Dell ter elevado a oferta após sua oposição tornou o prejuízo para a companhia “muito mais tolerável”.

Referindo-se ao fato do conselho da Dell ter adiado duas vezes a votação sobre a oferta de Michael Dell, Icahn disse que as “melhores ditaduras só precisam adiar a votação uma vez para vencer”. Em junho, Michael Dell e o fundo de private equity Silver Lake Partners fizeram “uma oferta final” para comprar a Dell, na qual aumentaram em US$ 0,10 o preço que pagariam por ação.

No mercado

Por volta das 15h36 (de Brasília) as ações da Dell subiam 0,07% na Nasdaq, cotadas a US$ 13,85. Fonte: Dow Jones Newswires.

VEJA TAMBÉM

Instagram passará a ter anúncios

PS 4 é esperança de lucro da Sony

Tudo o que sabemos sobre:

Dell

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: