As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

iPad de Steve Jobs vai parar na mão de palhaço

Nayara Fraga

17 de agosto de 2012 | 20h30

apple_clown.jpg

‘San Jose Mercury News’ mostra foto do palhaço que estava com o iPad de Jobs

O iPad de Steve Jobs, que havia sido roubado de sua casa em julho, foi encontrado com ‘Kenny the Clown’, um palhaço de 47 anos que estava usando o aparelho para entreter crianças e turistas na região da baía de San Francisco, na Califórnia. Ele não fazia ideia de que o tablet era do falecido fundador da Apple, segundo o jornal San Jose Mercury News.

Kenny, cujo nome verdadeiro é Kenneth Kahn, recebeu o iPad de presente do amigo Kariem McFarlin, de 35 anos, acusado de ser o autor do roubo. De acordo com o jornal, a polícia disse que McFarlin deu a Kahn um iPad de cor prata, de 64 GB, roubado da Rua Waverly em 17 de julho.

O homem também teria repassado outro iPad à filha. Os dois aparelhos foram devolvidos a família de Jobs depois que McFarlin foi preso, em 2 de agosto, conforme o San Jose Mercury News.

“Kahn já tinha brincado com vários iPads em lojas da Apple e pensou ter recebido um velho aparelho do qual McFarlin queria se livrar, assumindo que o amigo teria comprado uma nova versão do iPad”, conta o jornal.

O palhaço disse ao diário que manteve o iPad com ele por três ou quatro dias, até a polícia recuperá-lo. “Eu estava apenas usando-o como um iPod”, disse Kahn. Ele colocava para tocar a música-tema da Pantera Cor-de-Rosa e canções de Michael Jackson.

Kahn, que já concorreu para prefeito de sua cidade (Alameda) em 2006 e 2010 e para prefeito de San Francisco em 2007 (sem sucesso), foi treinador de McFarlin na equipe de basquete de uma escola em Alameda, mais de dez anos atrás, conforme o jornal.

McFarlin confessou o crime à polícia e permanece preso. Ele também é acusado de ter roubado da casa iPods, Macs, joias da Tiffany&Co, a carteira e a carta de motorista de Jobs.

Tudo o que sabemos sobre:

AppleiPadpalhaçorouboSteve Jobs

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.