As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

iPad será líder no mercado até pelo menos 2014

Nayara Fraga

22 de setembro de 2011 | 13h19

iPad2_1.jpg

A Gartner divulgou pesquisa nesta quinta-feira, 22, que revela a liderança do iPad no mercado de tablets até pelo menos 2014. A estimativa é de o aparelho da Maçã ainda ter mais de 50% do mercado daqui a três anos. Segundo o estudo, isso ocorrerá porque a Apple oferece uma experiência de usuário superior e unificada entre seus aparelhos, programas e serviços.

O iPad deve fechar 2011 com 73,4% de participação de mercado mundial — menos que os 83% de 2010. “A menos que os concorrentes respondam com uma abordagem similar, os desafios para a posição da Apple serão mínimos”, diz a vice-presidente de pesquisas da Gartner, Carolina Milanesi. (Em agosto, as projeções de um analista mostraram que o iPad ainda terá 60% de participação de mercado em 2020.)

Já os tablets baseados em Android, sistema operacional do Google, terão uma fatia de 17,3% este ano. Em 2010, eles responderam por 14,3% do mercado. A Gartner não espera que outra plataforma tenha mais de 5% de participação em 2011.

A empresa de pesquisa afirma que a estimativa para o Android foi reduzida em relação à analise do último trimestre — e teria sido ainda mais não fosse o sucesso de tablets mais baratos na Ásia e as expectativas em relação ao tablet da Amazon, cujo lançamento deve ocorrer até o fim deste ano.

Na opinião de Milanesi, a demanda pelo tablet com Android tem sido inibida por “altos preços, interface de usuário fraca e aplicativos limitados”. Espera-se ainda em 2011 que a próxima atualização do Android resolva esses e outros problemas, como a fragmentação da plataforma (nem todos os fabricantes oferecem as mesmas atualizações, ao mesmo tempo, nos mesmos países. E sequer são todos os aparelhos que chegam a ganhar as melhorias).

No quesito smartphones, o Android tem quase metade do mercado mundial.

Tudo o que sabemos sobre:

GartneriPadmercadopesquisatablets

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.