As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Netflix separa negócio de entrega de DVDs do streaming

Nayara Fraga

19 de setembro de 2011 | 12h50

netflix_home.jpg

A Netflix — locadora que chegou ao Brasil neste mês oferecendo apenas o serviço de streaming — anunciou que vai separar seu negócio de entrega de DVDs em casa da transmissão de conteúdo online nos Estados Unidos. Para isso, a companhia criou uma empresa chamada Quikster, cujo nome está ligado ao conceito de entrega rápida.

Quando a mudança entrar em vigor, o consumidor que quiser receber DVDs em casa e, ao mesmo tempo, assistir a filmes no computador (ou em videogames, TVs conectadas, aparelhos com iOS ou Android e outros) terá de contratar os serviços em separado. Haverá dois sites e duas contas, sem integração de cadastro de assinantes ou de avaliação de filmes feita pelos usuários.

O Businees Insider vê a mudança como negativa, principalmente, para o público que sempre adotou o DVD e o streaming, o qual deve somar 12 milhões de pessoas neste terceiro trimestre. “Os assinantes ‘híbridos’ da Netflix manterão o serviço de DVD agora que eles terão de acessar outro site e receber outra conta da Quikster todo mês?”

O CEO da Netflix, Reed Hastings, afirma no blog da locadora que a empresa percebeu que a entrega de DVDs e o streaming estão cada vez mais se transformando em negócios isolados um do outro — com diferentes custos e diferentes benefícios. “Para mim, é difícil escrever isso depois de dez anos de entrega de DVDs com orgulho, mas nós achamos que é necessário (…)”, diz Hastings.

A novidade surge no momento em que a Netflix enfrenta pressão no mercado financeiro. As ações da empresa caíram quase 20% no dia seguinte ao anúncio de que menos novos usuários assinarão o serviço do que o esperado para este trimestre.

O Business Insider indica também que a mudança evidencia o fato de a Netflix ver no streaming o seu futuro. No Brasil, a companhia já oferece só essa possibilidade; o mesmo ocorrerá em outros países da América Latina.


Veja também

Negócios: O filme vai se repetir no Brasil?

Link: Netflix reduz previsão de assinantes nos EUA

Link: TV social começa antes no Brasil

Link: Futuro ainda distante – Para concorrentes do Netflix, o mercado brasileiro ainda tem de amadurecer – e muito

Radar: Netflix chega ao Brasil e cobra R$ 15 por conteúdo ilimitado

Tudo o que sabemos sobre:

negócioNetflixQuicksterseparação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.