finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quem é a menina que tocou o sino do Twitter na Bolsa de NY

Yolanda Fordelone

07 de novembro de 2013 | 14h23

twitters_Reuters.JPG

Foto: Reuters

Figuras inusitadas participaram da cerimônia de estreia das ações do Twitter na Bolsa de Nova York. Além do co-fundador da empresa Evan Williams (ao centro), de Cheryl Fiandaca, do Departamento da Polícia de Boston (à esquerda) e do ator Patrick Stewart (à direita), figura conhecida pela interpretação no cinema do professor Charles Xavier nos últimos filmes do X-Men, estava presente uma menina de nove anos que, à primeira vista, poderia ser confundida com a filha de alguém da companhia.

Na verdade Vivienne Harr é uma ativista mirim conhecida nos Estados Unidos pela luta contra a escravidão infantil.

Segundo reportagem da NBC, tudo começou na primavera de 2012, quando os pais dela lhe mostraram uma foto de duas crianças no Nepal carregando pedras nas costas. Quando os pais lhe explicaram o que é a escravidão infantil, ela decidiu levantar verbas para doar a uma organização que luta na causa.


Fundou então um negócio próprio: uma banca de limonada. Com a fama nas reportagens locais e ao redor do mundo, a limonada se valorizou. No começo eram cobrados US$ 2, mas com o tempo as pessoas passaram a pagar o valor que quisessem. Houve um colaborador que enviou um cheque de US$ 1 mil. A menina atingiu sua meta inicial de arrecadar US$ 100 mil com um estande montado na Times Square, em Nova York.

Segundo a NBC, a menina e sua família, desde então, já levantaram US$ 1 milhão para o negócio de engarrafar limonadas. Metade dos lucros serão doados a organizações que ajudam crianças em todo o mundo. O sucesso parece ter chegado cedo: a limonada da “Make A Stand” já está disponível em 70 lojas no oeste dos Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:

Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.