bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Aplicativo incentiva cliente a guardar e aplicar bem o dinheiro

Regina Pitoscia

07 de agosto de 2019 | 00h17

Todo mundo até sabe que é preciso gastar dentro dos limites do seu bolso para manter o orçamento em equilíbrio, que é possível fazer ajustes para sobrar alguma parcela a cada mês para poupar e que existem melhores opções que a caderneta no mercado, mas para muita gente ainda é grande a dificuldades de colocar tudo isso prática.

Pensando em facilitar a vida e levar o cliente a vivenciar concretamente os conceitos de uma educação financeira, deixando de ser apenas um consumidor para passar a ser também um investidor, identificando as melhores opções do mercado para o seu perfil e adquirindo noções de planejamento tributário, o Banco BMG acaba de lançar o “#Poupapramim”. Trata-se de um aplicativo que está disponível para as contas digitais do banco de forma gratuita, o correntista deve apenas se cadastrar para ter acesso a ele.

A principal funcionalidade permite ter maior consciência dos valores gastos, até os centavos, e vai vincular uma parcela de cada despesa feita pelo cartão de crédito a uma aplicação em renda fixa. E isso de três formas.

Pela primeira, a “Poupa pra mim”, haverá um arredondamento do gasto em centavos. Por exemplo, se uma compra foi R$ 8,75, a parcela a ser poupada será de R$ 0,25. “É como se fosse um cofrinho”, explica o diretor de Produtos do BMG, Flávio Guimarães. “Quando as compras eram feitas em dinheiro, as moedas iam para esse cofrinho, mas hoje, com o uso generalizado do cartão, foi preciso pensar em uma versão virtual.”

Pela segunda, a “Poupa mais”, será possível acrescentar aos centavos um valor predeterminado, de R$ 1, R$ 2 ou mais, o que o correntista considerar que lhe é conveniente para a formação da poupança. E pela terceira, a “Poupa turbo”, o cliente poderá fixar determinado porcentual de seu gasto, 5%, 10%, por exemplo, que será destinado para a formação de uma poupança.

Sempre que a soma desse bolo, em qualquer das três modalidades, alcançar R$ 100, será aplicada em um CDB do próprio banco, que paga mais que a poupança. Atualmente, esse papel estaria pagando 104% do CDI, taxa praticada entre bancos que, com a Selic de 6,00%, está em 5,90% ao ano. “O cliente deixa de ser apenas consumidor e passa a ser um poupador. Queremos promover a cultura de guardar dinheiro entre nossos clientes, evoluindo para a renda fixa, seja para objetivos mais próximos ou de médio e longo prazo”, explica Paulo de Tarso, superintendente de Produtos do BMG.

Flávio esclarece que as quantias vão sendo separadas, e ficam livres para saque a qualquer momento. Além da função financeira, o aplicativo permite levar também noções de planejamento tributário ao usuário, mostrando as alíquotas de imposto que recaem sobre cada investimento e sua relação com o prazo da aplicação. “Não queremos travar o cliente, mas sim estimular o ato de poupar, além de explicar, por exemplo, que quanto maior o prazo da aplicação menor o imposto.”

O aplicativo foi desenvolvido usando a tecnologia de Inteligência Artificial, e com base na rotina de atitudes do usuário poderá colaborar para administração mais eficiente do dinheiro. Por exemplo, se em determinado mês o saldo da conta está acima do usual, ou recebeu uma renda extra, o cliente é incentivado a poupar mais do que faz normalmente.

Ao mesmo, tempo, se os gastos superam seu padrão, o cliente recebe alertas com essa informação. O aplicativo permite a interação com a robô, a Duda, que vai dando as orientações em cada detalhe do gerenciamento dos recursos.

Objetivo definido

A essas funcionalidades de poupar, o cliente pode atrelar uma outra, a que fixa um objetivo para a reserva a ser formada, é a “Sonho grande”. Nesse caso, o correntista é orientado sobre valores e tempo necessários para alcançar o total almejado. Até o fim do ano, o banco espera oferecer essa possibilidade de forma compartilhada entre pessoas que tenham os mesmos interesses, os mesmos objetivos. Seja um casal que vai comprar um carro ou fazer uma viagem, seja entre pais e filhos, para custear uma faculdade.

Após um mês de seu lançamento, o aplicativo já conta com cerca de 3 mil usuários e está disponível para os 4 milhões de correntistas do BMG.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: