Calcule sua dívida no cheque especial com juro de 8% ao mês

Regina Pitoscia

16 de dezembro de 2019 | 00h21

Algo em torno de R$ 26,5 bilhões estão hoje emprestados para pessoas físicas no cheque especial, segundo dados do Banco Central. Em geral, em sua maioria, para pessoas de baixa renda. As medidas de tabelamento dos juros dessa linha de crédito em 8% ao mês ou 151,8% ao ano têm como objetivo impedir que elas entrem em uma espiral para o superendividamento e, mais do que isso, que elas voltem a consumir.

Os juros médios atuais acima de 12% ao mês, ou em torno de 300% ao ano, provocam um rápido crescimento da dívida, com efeito bola-de-neve. O pagamento dos juros compromete uma boa parte do orçamento das famílias que estão penduradas no cheque especial. Dessa forma, o governo espera que, ao reduzir o custo desse crédito, sobre mais dinheiro para o consumo.

“Existe um endividamento impedindo o consumo, a retomada do crescimento econômico. A redução dos juros vai liberar recursos que podem ir para o consumo, estimulando a produção e colocando o País em uma rota de recuperação da economia”, explica para a professora Cristina Helena Pinto Mello, pró-reitora nacional de Pesquisa e Pós-Graduação na ESPM.

Todas as mudanças são oportunas para se falar sobre uma linha de crédito fácil de acessar, mas de difícil compreensão e acompanhamento da dívida. Foi sempre uma espécie de caixa-preta, mesmo para quem tem familiaridade com a matemática, com os cálculos e para quem é do mercado financeiro. “É uma conta difícil de fazer, às vezes você tem a mesma dívida pelo mesmo período em dois bancos diferentes e os valores dos acréscimos não batem”, constata a professora.

Além dos juros que são informados ao mês ou ao ano, mas precisam ser transformados ao dia, há a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras, o IOF. Esse imposto é dividido em duas parcelas, uma fixa de 0,38% ao dia, e outra que varia conforme o número de dias que o cliente está devedor. Quem explica é o economista José Roberto Troster, da Troster & Associados.

Os bancos parecem não ter o menor interesse em dar mais transparência a seus clientes. Em consulta aos cinco maiores bancos do País, nenhum deles forneceu elementos para explicar como fazem seus cálculos. O Itaú-Unibanco disse que “as taxas de cheque especial variam de acordo com o perfil do cliente e de seu relacionamento com o banco”. Bradesco e Santander não tinham agenda ou porta-voz para dar entrevista, Banco do Brasil e Caixa informaram que fornecem todas as informações necessárias para que seus clientes compreendam o cheque especial.

A Federação Brasileira de Bancos, a Febraban, esclarece que os bancos contam vários normativos sobre o relacionamento e a comunicação com os clientes. Um deles, o 001/2008 fala do compromisso dos bancos “em se comunicar de forma eficiente, fornecendo informações que sejam úteis, em linguagem simples, acessível e em tempo hábil para permitir ao consumidor tomar decisões melhores, informadas, conscientes e embasadas”.

Na prática, não é nada simples acompanhar e conferir a evolução da dívida no cheque especial.

Juros máximos

O teto para os juros passa a valer no dia 6 de janeiro e, a partir daí, ninguém poderá ter um acréscimo superior a 8,68% ao mês, considerando juros de 8% ao mês, mais Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), de 0,626% para quem permanecer devedor por 30 dias.

Os coeficientes da tabela abaixo vão permitir chegar a um cálculo bem aproximado do que deve ser cobrado de quem usar o limite. Ao multiplicar o saldo devedor pelos coeficientes da primeira coluna, de acordo com o número de dias de uso do cheque especial, será possível encontrar o total de imposto pago na operação. Ao multiplicar pelos coeficientes da segunda coluna, o resultado vai corresponder ao acréscimo máximo, composto de imposto e juros.

Por exemplo, um correntista que tenha ficado com um saldo negativo de R$ 2 mil por 15 dias vai pagar R$ 10,06 de IOF (2.000 X 0,005030) e terá um acréscimo total da dívida de R$ 88,92. Se esse mesmo cliente ficar por 28 dias devendo os mesmos R$ 2 mil vai pagar R$ 12,03 de IOF e, com o acréscimo dos juros, sua dívida será elevada em R$ 156,34.

                                                           Faça seus cálculos

Nº de dias                                           IOF                                     IOF + juros

no vermelho                   Multiplique saldo por            Multiplique saldo por      

 

1                                                     0,003882                                  0,00646

2                                                    0,003964                                   0,00950

3                                                    0,004046                                   0,01180

4                                                    0,004128                                    0,01448

5                                                    0,004210                                    0,01717

6                                                    0,004292                                    0,02103

7                                                    0,004374                                     0,02257

8                                                    0,004456                                    0,02528

9                                                    0,004538                                    0,02800

10                                                   0,004620                                    0,03073

11                                                    0,004702                                    0,03346

12                                                   0,004784                                    0,03611

13                                                   0,004866                                    0,03894

14                                                   0,004948                                    0,04170

15                                                   0,005030                                    0,04446

16                                                   0,005112                                     0,04723

17                                                   0,005194                                     0,05000

18                                                   0,005276                                    0,05278

19                                                   0,005358                                    0,05557

20                                                  0,005440                                    0,05837

21                                                   0,005522                                    0,06118

22                                                   0,005604                                   0,06399

23                                                   0,005686                                   0,06681

24                                                   0,005768                                   0,06964

25                                                   0,005850                                   0,07247

26                                                   0,005932                                   0,07531

27                                                   0,006014                                   0,07817

28                                                  0,006096                                   0,08102

29                                                  0,006178                                    0,08389

30                                                  0,006260                                   0,08676

Fonte: Troster & Associados

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: