coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Conheça o VRB Previdência, um fundo com impacto social

Regina Pitoscia

22 de julho de 2020 | 02h31

Já foi o tempo em que uma aplicação financeira era avaliada tão somente pelo rendimento proporcionado. O retorno, sem dúvida, junto com a liquidez e a segurança, continuam sendo o tripé para identificar as opções mais convenientes e interessantes do mercado financeiro.

Novos ingredientes, no entanto, devem ser adicionados para tomada de decisão de onde investir o dinheiro. Os tempos atuais exigem uma consciência ampliada do investidor para saber o que está por trás de quem administra os recursos, das empresas que ele vai financiar, se existe em vários níveis a preocupação com o social, o ambiental, os aspectos de governança, e assim por diante.

A responsabilidade de criar um mundo melhor e mais sustentável depende de cada um, não apenas de decisões em esfera macro, de governantes e empresários. Por isso, é importante conhecer produtos que estão no mercado, conseguem oferecer uma gestão responsável e qualificada, com perspectivas de boa rentabilidade, e ao mesmo tempo proporcionam algum retorno à sociedade.

A VRB Impacto é uma instituição que se especializou na arquitetura de aplicações financeiras com impacto social. O modelo adotado foi o de repassar parte das taxas de administração dos fundos VRB para projetos sociais, especialmente nas áreas de Educação e Inclusão Produtiva (cursos profissionalizantes e empreendedorismo).

E para que esses fundos sejam diferenciados e consigam atrair os aplicadores com boa performance, segundo o diretor-executivo do VRB, Tiago Fernandes, a ideia foi reunir gestores de primeira linha, acostumados a cuidar das grandes fortunas do País, para administrar os fundos.

Um deles é o VRB Previdência, lançado no início deste ano. É um fundo de previdência que permite a formação de uma poupança no longo prazo, seja para a complementação da aposentadoria oficial ou a realização de algum grande projeto. Atrativos que oferecidos por qualquer outro fundo de previdência do mercado, no caso, o grande diferencial é que ele dá acesso ao pequeno investidor, que dispõe de R$ 5 mil, a uma administração que é restrita a milionários, os que contam com patrimônio entre R$ 10 e 300 milhões, explica o diretor.

Na prática, os gestores formam o fundo comprando cotas de outros fundos de previdência, aqueles com estratégias consagradas e os melhores resultados no mercado. Portanto, o VRB Previdência replica para seu cotista o rendimento proporcionado por esses fundos de destaque no mercado. Tudo é definido por um comitê, que analisa os cenários e seleciona as opções de investimento, buscando sempre a diversificação.

O que se torna mais um atrativo, afirma Fernandes, na medida em que as taxa de juros foram à lona, levando o aplicador a assumir um grau de risco mais elevado para obter um rendimento diferenciado e atingir seus objetivos de longo prazo. “A diversificação de portfólio é a melhor forma de conseguir bons retornos com risco controlado”, diz ele.

E para esse gerenciamento especializado é cobrada do aplicador uma taxa de administração, de 2,01% ao ano, como acontece com os fundos de investimentos. Só que no VRB Previdência, um terço da taxa é revertido para seis entidades que conduzem os programas sociais, atingindo cerca de 25 mil beneficiários, entre crianças e jovens, em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Pernambuco.

Portanto, não há qualquer interferência no retorno ao investidor, uma parte da taxa que caberia aos administradores é que será destinada aos projetos de impacto. “O investidor fica com os resultados financeiros, enquanto contribui diretamente com comunidades vulneráveis”, diz o executivo.

Com esse esquema, em que os gestores abrem mão da taxa por abraçar a causa, nos quatro anos de atuação, a VRB conseguiu doar mais de R$ 7 milhões aos programas, mas isso considerando seus outros dois fundos o VRB Multimercado e o Oceana Sustentabilidade. As carteiras dos três fundos somam cerca de R$ 300 milhões com 1.200 cotistas.

No VRB Previdência, a aplicação mínima é de R$ 5 mil, com movimentações seguintes a partir de R$ 500. A meta é alcançar uma rentabilidade em algo equivalente ao CDI (título trocado entre bancos e com rentabilidade colocada à Selic, que está em 2,25% ao ano), mais ganho de 3% a 5% ao ano. A política de investimento é focada na preservação do patrimônio, faça chuva ou faça sol no mercado financeiro.

As aplicações no VRB Previdência estão disponíveis na plataforma da XP Seguros.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: