Fintech oferece crédito consignado com outras facilidades

Regina Pitoscia

20 de novembro de 2019 | 00h24

O crédito consignado é um dos mais baratos do mercado, porque a mensalidade já vem descontada da renda do devedor, do salário ou da aposentadoria. Como o risco de calote é pequeno, os juros podem ser mais baixos.

O interessante é que há uma crescente oferta de produtos e funcionalidades que vão sendo acoplados ao consignado pelas fintechs (empresas de tecnologia que oferecem serviços financeiros) de forma criativa. Não apenas em função dos recursos tecnológicos, que as tonam mais ágeis, menos burocráticas, liberando o dinheiro em minutos, e tudo pelo celular, mas pela observação cuidadosa das necessidades de quem precisa levantar um financiamento desse tipo.

A Paketá Crédito é uma dessas fintechs que está inovando no consignado oferecido a empregados do setor privado. Por meio de pesquisas regulares, ela traça um perfil dos funcionários das empresas com as quais mantém convênio para a concessão do crédito. Ao identificar pretensões e projetos da maioria deles, a fintech faz um meio-de-campo para viabilizá-los e com facilidades.

“É um crédito contextualizado”, explica um dos sócios e cofundador da fintech, Fabian Valverde. “Se o nível de endividamento for muito alto, a ideia é mostrar que com o consignado é possível conseguir condições mais facilitadas para liquidar um crédito que esteja cobrando juros mais altos”.

A diferença pode ser demonstrada ao tomador de crédito com uma simples comparação. A taxa média nos empréstimos da Paketá está em 2,20% ao mês ou 30% ano, enquanto na maioria das vezes nas dívidas dos funcionários, no cheque especial ou cartão de crédito, as taxas superam em dez vezes esse nível, porque giram em torno de 12,2% ao mês ou 300% ao ano.

Mas em vez de ficar apenas nos números, junto com essa redução do custo na renegociação da dívida, vem a educação financeira também oferecida pela empresa por de meio de palestras. “Concedemos empréstimo mesmo aos negativados. É preciso ajudá-los a ter uma melhor relação com o dinheiro, a fazer um planejamento financeiro, mapeando seu orçamento, pagando as dívidas, e começando a investir”, afirma o executivo.

Para Fabian, “o consignado é um crédito bom, que resolve questões e permite que o empregado tenha mais tranquilidade para administrar seu orçamento, no convívio com a família, e também no seu trabalho”. Ele ressalta que quem está menos sobrecarregado por problemas financeiros costuma ser mais produtivo, inovador e engajado, enquanto os que têm mais dificuldades financeiras se ausentam com maior frequência, demostram menos comprometimento com a empresa e estão menos satisfeitos com seus salários, independentemente do seu valor.

Mas nem sempre é esse o quadro preponderante em uma empresa. Se a pesquisa indicar, por exemplo, que boa parte dos empregados tem o sonho de fazer uma viagem para a Disney com os filhos, como já aconteceu de fato, a Paketá fecha pacotes com uma operadora. Na prática, ela compra e antecipa o pagamento das viagens com seus recursos e consegue descontos por ser um número expressivo de pacotes. Esse desconto é repassado integralmente para o funcionário.

Dessa forma, o empregado vai ter facilidades para pagar sua viagem, diretamente à fintech e com as mesmas condições do consignado, com juros mais baixos. Além disso, poderá contar com um preço mais convidativo em função do desconto.

A mesma iniciativa será tomada se o sonho de consumo dos funcionários for uma tevê, uma geladeira, um smartphone, ou ainda um curso ou intercâmbio no Exterior. A fintech entra adquirindo o bem ou o serviço no atacado, com desconto, e viabilizando a operação para os funcionários interessados.

A Paketá está no mercado há menos de um ano, mas já conta com uma carteira com 6,8 mil clientes e um limite de R$ 232 milhões de crédito disponível para interessados. A meta é chegar a um total de R$ 1 bilhão em empréstimos em até cinco anos.

A empresa conta com outros diferenciais. Um deles é fechar convênio com empresas de qualquer tamanho, sem exigência de número mínimo de funcionários. Os empréstimos são concedidos para pagamento em prazos mais longos, de até 48 meses, e a taxa média dos financiamentos é de 2,20% ao mês, ou 30% ao ano. Dependendo da análise de crédito, essas taxas variam de 1,8% a 3,1% ao mês.

O total a ser emprestado vai variar de acordo com o tempo de casa do funcionário na empresa em que trabalha e poderá ser múltiplos do seu salário. A mensalidade do consignado não pode ultrapassar 30% da renda do funcionário e, além de ser aprovado pela instituição financeira, precisa da autorização da empresa.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.