Juros no crédito imobiliário estão em queda. Onde estão os mais baixos?

Regina Pitoscia

24 de julho de 2019 | 03h19

Nesta segunda versão do artigo, vamos fazer uma correção nos dados do Banco do Brasil. Na original, ficou dito que entre os cinco maiores bancos do mercado apenas o BB não havia mexido nas taxas do financiamento imobiliário no último ano. Na verdade, suas taxas também foram reduzidas, e com queda expressiva, como vai na tabela abaixo. Pedimos desculpas pela incorreção. 

Os maiores bancos do mercado cortaram suas taxas de juros nos financiamentos para a compra da casa própria. Ainda que possa parecer uma queda insignificante, às vezes apenas nas posições decimais, uma taxa mais baixa pode resultar em diferença expressiva no total a ser pago pelo comprador, porque os contratos de financiamento habitacional são de prazos bem mais longos, 10, 20 ou até 35 anos.

O levantamento foi feito pela Melhortaxa, uma plataforma especializada em crédito imobiliário que, além de indicar as opções mais baratas, as com taxas mais baixas, acompanha o candidato ao financiamento do começo ao fim do processo, como uma espécie de consultoria. Sem cobrar nada do cliente, a fintech é remunerada por comissões da instituição financeira com a qual foi fechado o negócio.

A pesquisa a seguir reflete as taxas efetivamente cobradas em contratos assinados com a intermediação da plataforma, nos cinco grandes bancos, que detêm algo em torno de 97% do total de crédito habitacional no País.

Juros no financiamento imobiliário

           (ao ano mais variação da TR)

Banco                  Julh/2018                Julho/2019

Bradesco                    8,50%                             8,10%

Itaú                             8,80%                             8,30%

Santander                 8,99%                              7,99%

Caixa                          9,00%                             8,50%

BB                               9,64%                             8,49% (*)

Fonte: Melhortaxa

(*) Taxa para operações no Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Para financiamentos pela Carteira Hipotecária, para imóveis com valor superior a R$ 1,5 milhão, a taxa é de 8,85%. Em ambos os casos, o prazo é de até 35 anos, com liberação de até 80% do valor de avaliação ou de compra e venda, o que for menor.

Qual a mais baixa?

Em princípio, a taxa mais baixa atualmente é a do Santander em 7,99% ao ano. No entanto, como explica o diretor-executivo da Melhortaxa, Rafael Sasso, essa taxa é promocional e vem embrulhada em um pacote com outras condições.

Essa taxa anual de 7,99% será válida para operações fechadas na compra de imóveis residenciais no período de 1º de julho a 31 de agosto deste ano, e será aplicada ao contrato pelo período de um ano. Depois disso, haverá uma avaliação do relacionamento do cliente com o banco e poderá ser prorrogada por períodos de 6 meses, mediante contrapartidas.

Para que a taxa continue sendo baixa, o comprador terá de manter uma caderneta de poupança no Santander com saldo mínimo de R$ 1 mil, poderá optar entre ter um cartão de crédito do banco e fazer pelo menos uma compra com a função crédito a cada mês, ou fazer um seguro de vida, ou um seguro de acidentes pessoais ou um seguro residencial. Isso no caso de o interessado ser assalariado quando haverá exigência também de passar a receber seu salário pelo Santander.

E quem fechar o contrato no período de vigência da campanha ganha uma geladeira de 240 litros de brinde. Atrativo que reflete a forte competitividade entre os bancos na disputa pelo cliente de crédito imobiliário.

Já para os clientes que não aceitarem as condições, a taxa do Santander será 10% ao ano com mensalidades corrigidas, e de 11,50% ao ano com mensalidades fixas. Essas taxas passam a ser as mais altas nessa base de comparação.

Assim, em condições regulares, fora de promoções, a taxa mais baixa é a do Bradesco, seguida de muito perto pela taxa do Itaú, depois pela taxa do Banco do Brasil e pela taxa da Caixa.

Segundo Rafael, a procura por financiamento tem aumentado tanto pelo candidato que tem dívidas e quer colocar suas contas em dia por um custo mais baixo, como por quem passa a conhecer a modalidade de home equity, em que o próprio imóvel é dado como garantia da operação. Justamente pelo lastro oferecido, as taxas são mais baixas do que, eventualmente, o consumidor esteja pagando em outros compromissos. Ele ressalta ainda que há dinheiro novo, de fundos estrangeiros, chegando ao mercado e sendo destinado ao financiamento imobiliário.

A plataforma oferece serviços para quem vai comprar um imóvel, ou vai refinanciar o imóvel já quitado, ou ainda transferir o contrato de um banco para outro pelo sistema de portabilidade. O interessado deve entrar no site (www.melhortaxa.com.br) e informar as suas condições para ter o retorno de um dos atendentes da empresa, não só com as indicações de financiamento mais interessantes, mas com explicações e orientações com prós e contras de cada proposta.

Se houver interesse, a Melhortaxa providencia todo o processo burocrático da operação, e o interessado pode sair do portal com o contrato assinado.

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.