Mercado financeiro à espera de novidades para firmar tendência

Regina Pitoscia

19 de novembro de 2018 | 00h31

(*) com Tom Morooka

A indicação do economista Roberto Campos Neto para o comando do Banco Central, em substituição a Ilan Goldfajn, sob o governo do novo presidente Jair Bolsonaro foi a principal novidade para o mercado financeiro na sexta-feira, na volta do feriado de 15 de novembro.

O nome do economista, que deixa o banco Santander para a presidência do BC, ainda precisa ser aprovado pelo Senado, mas sua indicação foi bem recebida pelo mercado financeiro, que quer mais.

Cresce a ansiedade no mercado financeiro pela divulgação de medidas de ajuste fiscal que confirmem a agenda de reformas econômicas, principalmente a da Previdência Social, bandeira liberal que pavimentou, do ponto de vista dos investidores, a trajetória vitoriosa do deputado federal Jair Bolsonaro à Presidência da República.

A expectativa, contudo, parece ir diminuindo, aos poucos, sobretudo para quem apostava no rápido anúncio de propostas, logo após a eleição do capitão reformado. Não apenas pela demora da divulgação, mas também pela falta de clareza e consistência, para não dizer contradições, das poucas ideias de proposta divulgadas até agora.

É nesse ambiente de crescente ansiedade e até de alguma frustração que os diversos mercados, especialmente o de ações e dólar, têm trabalhado em compasso de espera, contrariando a expectativa dos que previam uma sequência positiva do desempenho que antecedeu a eleição.

A sinalização dada pela declaração do presidente eleito de que a votação do projeto de reforma da Previdência Social tende a ficar para o próximo ano arrefeceu o otimismo dos investidores. Havia a expectativa de que os primeiros passos na direção do ajuste fiscal poderiam ser dados ainda neste ano, no apagar das luzes do governo do presidente Michel Temer.

A demora no anúncio das medidas de ajuste fiscal, que o mercado espera ansiosamente da equipe econômica do novo presidente, comandada por Paulo Guedes, causa preocupação nos investidores, que divide a atenção entre o cenário doméstico, seu foco principal, e os fatores externos.

Foi sob influência desse cenário internacional de forte queda das bolsas americanas, das cotações do barril de petróleo e do desconforto na relação dos Estados Unidos com os aliados europeus, em que o problema fiscal da Itália é também a grande fonte de preocupação – o novo governo italiano insiste em medidas consideradas populistas que devem agravar ainda mais o desequilíbrio das contas públicas da Itália –, que o mercado doméstico de ações, tomado pela cautela diante de incertezas com as medidas do novo governo, entrou em aparente compasso de espera.

Fora de foco

Com o interesse dirigido às medidas de ajuste fiscal e reagindo colateralmente a fatores externos, o mercado financeiro tem dedicado pouca atenção às articulações políticas para a formação de uma ponte entre o novo governo e o Congresso da qual depende a aprovação de propostas econômicas para o reequilíbrio das contas públicas. Especialistas veem esse embate como o grande desafio de Bolsonaro. Sem o apoio de deputados ou senadores, as propostas não avançariam no Congresso, por mais brilhantes que sejam seus formuladores.

A preocupação existe, porque o presidente eleito já sinalizou em declarações que seu governo não adotará a política do toma-lá-dá-cá, como estratégia de negociação, para tentar aprovar medidas reformistas no Congresso. Ele tampouco conta com um articulador político como interlocutor com o Congresso, que recentemente aprovou e lançou duas pautas bomba, que podem pôr em risco os planos de ajuste fiscal formulados pela equipe econômica de transição: o reajuste do Judiciário e o regime especial para o setor automotivo, que pode consumir quase R$ 3 bilhões de subsídios.

O reajuste salarial de 16,38% para o Poder Judiciário não está garantido, mas a bola está, por enquanto, com Michel Temer. Cabe ao atual presidente vetar ou sancionar o projeto de lei que concede o reajuste e jogar a conta para o presidente que toma posse em 1º de janeiro.

São possíveis armadilhas que podem arranhar o cacife político do presidente eleito, despertando dúvidas em investidores, com possíveis reações negativas do mercado financeiro, sobre sua capacidade gerencial e administrativa de entregar as medidas de ajuste das contas públicas, defendidas em sua agenda de reformas, que impulsionou sua caminhada ao Palácio do Planalto.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.