Nem sempre título isento de imposto será o mais rentável

Regina Pitoscia

10 de janeiro de 2020 | 00h17

O apelo da isenção de imposto de renda aumentou com a queda da taxa básica de juro, Selic, à mínima histórica de 4,50% ao ano, já que todas as modalidades de títulos com esse benefício fiscal têm o rendimento referenciado no juro DI, que anda alinhado com a Selic.

A diferença de rentabilidade existe, mas, com a taxa básica nesses níveis baixos, ela é hoje quase residual. A distância entre a rentabilidade de um título isento de imposto e de outro tributado é praticamente inexistente, já que o desempenho na renda fixa ficou meio padronizado pelos cortes na Selic.

Dentre as principais opções de investimento que contam com esse benefício fiscal estão a LCI (Letra de Crédito Imobiliário), a LCA (Letra de Crédito do Agronegócio), o CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários), o CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio), além das debêntures incentivadas, também conhecidas como debêntures de infraestrutura, emitidas por empresas que atuam nesse setor da economia.

Mas há outros pontos também a considerar. O Como Investir, site de finanças da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) sobre investimentos e finanças pessoais, ressalta que a isenção de imposto não deve ser o único critério considerado na escolha do investimento.

É preciso avaliar também os demais atrativos que a opção oferece e ainda outros pontos, como, por exemplo, se a escolha está de acordo com os objetivos e o perfil do investidor, explica Ana Leoni, superintendente de Educação da Anbima.

De acordo com ela, a análise do perfil do investidor antes de aplicar é essencial para a escolha de qualquer produto, lembrando que há investidores com maior apetite ao risco e outros com total intolerância a perdas. Existem os que preferem a segurança da renda fixa e outros que gostam de arriscar um pouco no mercado de ações, comenta Ana.

A escolha é livre, importante é que esteja adequada ao perfil de cada um, destaca. Se houver dúvidas na identificação, o investidor pode recorrer à ajuda de corretoras, plataformas de investimento e instituições financeiras. A aplicação de um questionário chamado API (Análise de Perfil do Investidor) revelará se o aplicador tem um perfil mais conservador, moderado ou arrojado, explica.

É preciso considerar ainda o objetivo pretendido com os recursos que serão aplicados, para tentar casar o vencimento da aplicação, portanto do resgate do dinheiro, com a data prevista para o uso dos recursos. O prazo, lembra Ana, está diretamente ligado à liquidez, a capacidade e a velocidade de converter o dinheiro aplicado em reserva na conta corrente. Nesse sentido, é importante estar atento aos períodos de carência, aqueles que devem ser seguido para que o dinheiro possa ser resgatado com o rendimento obtido no período.

Por fim, a superintendente de Educação da Anbima alerta que os investimentos isentos de imposto devem ser comparados sempre com outros títulos e opções do mercado que não oferecem benefício fiscal, porque nem sempre os isentos rendem mais.

Mais rentáveis

Para conseguir uma remuneração mais atraente na renda fixa, que seja capaz de cobrir as perdas para inflação e ainda proporcionar um ganho real, é preciso estar disposto a aplicar por prazos mais dilatados.

Na pesquisa feita pelo buscador de investimentos Yubb (www.yubb.com.br), os títulos de renda fixa mais rentáveis para o período de 5 anos foram os seguintes:

Emissor/tipo                Distribuidor     Rendimento*   Valor mínimo R$

Avista Fin./RDB                Avista Finan.              8,08%                 1 mil

Avista Fin./LC                    Avista Finan.              7,96%                 1 mil

Bco Máxima/CDB             Guide Inv.                   7,66%               10 mil

Agibank/CDB                     Ourinvest                    7,57%                  1 mil

Luso Brasil./CDB              BTG Pactual Dg         7,39%                10 mil

Omni Bco/RDB                 PoupaBrasil                7,36%                  1 mil

Omni Bco/CDB                 BTG Pactual Dg          7,36%                 5 mil

Luso Brasil/CDB               Guide Inv.                   7,33%                10 mil

Bco Pine/CDB                    BTG Pactual Dg         7,30%                  5 mil

Renner/CDB                      BTG Pactual Dg          7,24%                10 mil

Fonte: Yubb

(*) Rendimento líquido ao ano