Onde até pequeno aplicador tem rendimento melhor na renda fixa

Regina Pitoscia

14 de junho de 2019 | 01h20

A notícia de que a inflação oficial de maio ficou em 0,13% é positiva não só porque indica que o custo de vida beira a estabilidade, mas porque permitiu que os investidores que tem seu dinheiro ancorado em renda fixa tivesse um rendimento positivo, capaz de proteger seu patrimônio e ainda proporcionar um ganho real.

No caso da caderneta, por exemplo, que tem um dos mais baixos níveis de remuneração, de 0,3715% ao mês atualmente, esse ganho foi de 0,24%, no mês passado. Um resultado até que interessante depois de alguns meses remunerando com perda para a inflação. E não é apenas a caderneta que enfrenta esse problema. Aplicações em renda fixa como CDBs e fundos de renda fixa também estão no mesmo barco.

Ainda assim, alguns papeis de renda fixa acenam com rentabilidade bem mais atraente do que a caderneta se o dinheiro puder ficar aplicado por prazo maior, de um ou dois anos. Assim, o investidor que pretende obter o ganho mais polpudo terá de abrir mão da liquidez mensal, que é oferecida pela caderneta, e não mexer no dinheiro por esse período mais elástico.

Também é válida a estratégia de destinar para a poupança os valores que serão necessários a cada mês e o restante, que tem condições de ficar imobilizado por, pelo menos, um ano, para os títulos mais rentáveis. Tudo porque a diferença é expressiva e precisa ser considerada.

São papeis como Certificado de Depósito Bancário (CDB), ou Recibo de Depósito Bancário (RDB), Letras de Câmbio (LC), ou ainda papeis que servem de lastro para operações no mercado imobiliário como Letra de Crédito Imobiliário (LCI), ou ainda no setor agropecuário, como Letra de Crédito Agrícola (LCA), e ainda títulos do governo pelo Tesouro Direto.

Os CDBs, RDBs ou LCs geralmente são papeis emitidos por instituições financeiras de menor porte, que não contam com a capilaridade de uma rede de agências para a captação e tentam atrair o aplicador com uma rentabilidade mais alta.

Mas e a segurança? Vale lembrar que para aplicações nesses títulos, de até R$ 250 mil, por banco e por CPF, existe a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), caso a instituição que emitiu o papel venha a ter problemas de liquidez e quebrar. Trata-se da mesma garantia que é oferecida para a caderneta.

Boa ajuda

Para quem tem interesse em garimpar essas opções no mercado, uma fintech vem prestando um serviço eficiente nesse sentido. É o buscador de investimentos Yubb (https://yubb.com.br), que oferece simuladores em seu site.

Basta informar quanto quer aplicar e por quanto tempo, a ferramenta apresenta quais são as oportunidades com melhor retorno para as condições desejadas pelo aplicador. Não é necessário fazer nenhum cadastro e os serviços são gratuitos.

A busca é feita entre as 2.100 opções de investimentos e as informações são detalhadas: valor mínimo exigido, rendimento bruto, rendimento líquido (depois do desconto do imposto de renda ou taxas), comparação com o rendimento da caderneta e em relação ao CDI – taxa praticada entre os bancos.

Caso o interessado queira fechar a aplicação é direcionado para o banco ou a corretora que está oferecendo o título. Tudo por meio das plataformas eletrônicas.

As opções no Yubb

Nesta quinta-feira, dia 13 de junho, por exemplo, o investidor à procura das melhores opções em CDB para prazo de um ano poderia encontrar os seguintes papeis:

Um CDB do Banco Máxima com rendimento líquido de 6,28% ao ano era ofertado pelas plataformas do Banco Ourinvest e do Easyinvest para aplicação a partir de R$ 1 mil. Portanto, com um retorno 38% acima dos 4,55% projetados para a caderneta no período.  O mesmo título era oferecido com as mesmas condições pelo banco digital Órama, mas para aplicações a partir de R$ 5 mil.

Vale notar que, a partir desses exemplos, a rentabilidade mais encorpada fica disponível também ao pequeno investidor. Situação diferente de alguns atrás, quando somente os aplicadores com somas expressivas conseguiam beliscar a melhor remuneração.

O buscador vai mostrar que há bancos oferecendo rendimento que supera a taxa negociada entre os bancos (CDI) para aplicações irrisórias. É o caso do Banco Sofisa, que remunera depósitos a partir de R$ 1,00 (isso mesmo, um real), com uma taxa muito interessante, equivalente a 109% do CDI, ou 6,00% líquidos ao ano. Nível de rendimento 32% superior ao da caderneta.

O acesso a essas informações, a essas plataformas e a esses papeis mais rentáveis, não pode ser desprezado por quem pretende obter a melhor performance para seus investimentos.