Cavalo de Troia inflável é usado em protesto contra acordo comercial

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cavalo de Troia inflável é usado em protesto contra acordo comercial

Ambientalistas protestam na Alemanha contra negociação para formar área de livre comércio entre Estados Unidos e União Europeia

blogs

16 de setembro de 2014 | 11h01

 

Cavalo de Troia contra o acordo de livre comércio EUA-UE (Foto: Reuters)

Cavalo de Troia contra o acordo de livre comércio EUA-UE (Foto: Reuters)

A organização ambiental Bund, da Alemanha, usou um cavalo de Troia inflável de oito metros de altura para protestar contra a criação de uma área de livre comércio entre Estados Unidos e União Europeia.

O cavalo inflável circulou em frente ao Portão de Brandenburgo, em Berlim. Se for bem-sucedida, a negociação comercial poderia criar a maior zona comercial do mundo, respondendo por metade da produção e 30% das trocas de bens e serviços globais.

O novo bloco comercial conhecido pela sigla TTIP (Transatlantic Trade and Investment Partnership) une regiões onde vivem 800 milhões de pessoas. O objetivo é reduzir as tarifas e outras barreiras comerciais, para permitir a livre circulação de mercadorias e serviços.

Cavalo de Troia contra o acordo de livre comércio EUA-UE (Foto: Reuters)

Cavalo de Troia contra o acordo de livre comércio EUA-UE (Foto: Reuters)

As negociações foram iniciadas há um ano e a sexta rodada foi em julho deste ano.

As organizações ambientalistas e alguns sindicatos temem que a cena cultural e o mercado de trabalho poderiam ser prejudicados pela competição de empresas americanas, já que em países europeus e especialmente na Alemanha existe uma política de financiamento público que poderia estar condenada dentro das novas regras do bloco comercial.

“Estamos diante de uma americanização de todo o setor cultural”, disse a estudante de teatro Erika Fischer, em entrevista a jornais locais. “Eu temo que o nosso sistema de subsídios seja desmontado”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: