Utilidades domésticas inúteis valem mais que as úteis

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Utilidades domésticas inúteis valem mais que as úteis

Transformados em obras de arte, objetos do cotidiano ganham nova dimensão e valor de mercado

Cley Scholz

22 de agosto de 2014 | 11h58

 

Regador para quem não quer gastar água: útil para os paulistas

A arquiteta grega Katerina Kamprani diverte-se há anos recriando objetos do cotidiano. Ela transforma coisas úteis em objetos de arte. Suas invenções preservam características originais, mas ganham uma nova dimensão criativa e artística. Só que totalmente inúteis do ponto de vista prático.

Comercialmente, porém, elas passam a valer muito mais como objetos de arte do que quando eram úteis apenas do ponto de vistaprático, e não estético. As imagens da artista provocam polêmica em sua página no Facebook.

Garfo com cabo mole: para quem está de regime

Taça com espinhos: para quem não pode beber

Tigela furada: para quem não gosta de sopa

Garfo com pingentes: para distrair a fome

Talher múltiplo: para quem está indeciso entre a sopa e o bife

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: