Arsenal contra a China

Raquel Landim

13 de outubro de 2010 | 12h32

Publiquei no domingo uma entrevista com a professora Vera  Thorstensen sobre China. Para os interessados no tema, vale a pena conferir. (Clique aqui para ler a entrevista). Com 30 anos de experiência em comércio exterior, metade dos quais em Genebra como principal assessora econômica do governo brasileiro, ela coloca o dedo na ferida.

Fora dos quadros do Itamaraty, Vera não tem mais receio de dizer o que pensa. Fala abertamente que a desvalorização da moeda chinesa é um “subsídio deslavado”, que a China está “minando os alicerces da OMC (Organização Mundial do Comércio)”, e que não consegue entender porque os países não denunciam isso.

Em relação ao impacto do yuan desvalorizado para o Brasil, a economista diz que há desindustrialização no Brasil. E recomenda que o País utilize um arsenal de medidas contra a China: tarifas antidumping, salvaguardas especiais, barreiras técnicas e até um lei de JK que permite elevar tarifas contra países que utilizem o câmbio como subsídio.

Mas se engana quem pensa que Vera prega uma guerra aberta contra a China e não se preocupa com o retorno do protecionismo que marcou a década de 30. Tudo que ela quer é jogar duro e “criar um ambiente de negociação especial” para o Brasil.

O Itamaraty e indústria brasileira deveriam prestar atenção às recomendações da professora.

Tudo o que sabemos sobre:

ChinaVera Thorstensenyuan desvalorizado

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.