Restituição pode virar imposto a pagar

Estadão

26 de fevereiro de 2009 | 22h28

Muitos contribuintes começaram a receber ontem em suas contas correntes o dinheiro da restituição do Imposto de Renda de um lote residual de 2006 que estava na malha fina da Receita Federal (e que foi anunciado no último dia 17).
Mas, ao contrário do que a gente costuma imaginar, estar incluído em um lote residual nem sempre significa dinheiro no bolso. Parte dos contribuintes que esperava receber uma boa restituição teve uma desagradavel surpresa: pelas contas do Fisco, ainda tem imposto a pagar.
Como mostra reportagem do Jornal da Tarde desta sexta-feira, este tipo de situação ocorre porque a Receita, ao reter uma declaração na malha fina, tem cinco anos para cruzar dados e detectar irregularidades nas informações prestadas pelos contribuintes.
Segundo o auditor da Receita, Luiz Monteiro, caso haja divergência nas informações, o contribuinte pode ser avisado sobre a pendência e convocado a prestar esclarecimentos. No entanto, quando a Receita tem certeza de que seus cálculos estão certos, pode nem chamar o contribuinte, que só vai descobrir que, em vez da restituição, ainda deve ao Fisco quando for consultar o lote da malha fina.
A partir do dia 2 de março começa nova temporada de declarações de IR, desta vez as de 2009 (ano-base 2008). Também a partir do dia 2, o Jornal da Tarde começa a publicar uma coluna respondendo dúvidas dos leitores sobre a declaração deste ano. Se você tiver dúvidas, pode enviar um email para
caroleao@grupoestado.com.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.