Saque do FGTS terá desconto menor

Denise Juliani

23 de março de 2010 | 21h52

Quem pretende usar o FGTS para completar o dinheiro na compra de um imóvel à vista vai economizar até R$ 2.200 a partir de agora. É que o Conselho Curador do FGTS estabeleceu um valor máximo para a tarifa praticada pelos bancos nestes casos. Até hoje não havia um limite para a cobrança. Por isso, os bancos chegam a pedir até R$ 3 mil apenas para efetuar o resgate do Fundo – valor correspondente à chamada Taxa de Intermediação de Saque do FGTS.
Agora, com a determinação do Conselho, o valor da tarifa não vai poder ultrapassar R$ 800 (no caso de imóveis de até R$ 130 mil) ou R$ 1.600 (para imóveis de valor superior a R$ 130 mil).
Os preços correspondem a taxa de 0,16% ou 0,32%, respectivamente, tendo como referência o valor máximo de um imóvel que pode ser financiado pelo Sistema Financeiro de habitação (SFH), que é de R$ 500 mil.
A Caixa Econômica Federal, mesmo sendo gestora dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, cobrava R$ 1 mil para realizar a transação. Nos outros bancos, a tarifa tendia a ser mais alta porque a instituição teria custos na operação, já que não era gestora do Fundo. Agora, com ou sem custos, todos terão de cobrar do cliente o mesmo valor. Os bancos têm o prazo máximo de 60 dias para se adaptar às novas regras. Confira no Jornal da Tarde desta quarta-feira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.