Homens e mulheres, diferentes estilos de investir

Denise Juliani

01 de outubro de 2012 | 17h28

Sondagem realizada pela empresa de pesquisa Quorum Brasil com 100 homens e mulheres com renda pessoal entre R$ 5 e R$ 9 mil, mostra diferenças de estilo entre os dois gêneros na hora de investir.

A principal conclusão do levantamento é a de que a caderneta de poupança se mantém como o porto seguro de quem investe. E atrai cada vez mais as mulheres, que fogem de investimentos onde o risco pareça elevado ou desconhecido.

Diante da pergunta: quais investimentos têm realizado ultimamente, 74% dos homens e 86% das mulheres responderam que é a caderneta de poupança.

O mais curioso é que, para a maioria dos entrevistados, a poupança não é um investimento dos mais rentáveis: apenas para 8% das mulheres e 7% dos homens ela está no topo da lucratividade.

Ao que parece, o mérito da poupança para esses investidores é mesmo a segurança. No caso das mulheres, esse é o aspecto mais importante na tomada de decisão. Diante da questão: o que você considera na hora de investir, o risco do investimento recebeu 62% das indicações femininas. A confiança na instituição financeira onde estão as aplicações ficou com 32%. A rentabilidade ganhou 47% das respostas desse grupo.

Já para os homens, a rentabilidade, com 58% das respostas, é a primeira preocupação, seguida pelo risco do investimento (53%) e a confiança na instituição (25%). As respostas são múltiplas.
Segundo o estudo, o imóvel vem na sequência como a segunda opção de investimento, com forte percepção de que é aquele com maior rendimento (para 62% das mulheres e 41% dos homens) e com maior sensação de garantia de futuro (para 88% das mulheres e 69% dos homens).

“Os imóveis tendem a se manter em crescimento como objeto de desejo da classe média, quer seja para investir, quer seja para garantir o futuro”, avaliam os analistas da Quorum Brasil.
Embora seja a principal aplicação, a poupança aparece em segundo lugar quando a questão é o melhor ativo para garantir o futuro da família – 61% das mulheres e 54% dos homens.

Outra conclusão do estudo é o crescente interesse das mulheres pelos planos de previdência privada. O produto é importante para o futuro da família para 57% delas e para 43% dos homens.

Depois da poupança, os planos de previdência são a segunda aplicação para as mulheres, com 27% das respostas. As que têm filhos são as que mais tendem a escolher este ativo, informam os analistas. Em seguida, elas aplicam em fundos de renda fixa (21%) e em imóveis (19%). Já os homens preferem (depois da poupança) os fundos de renda fixa (32%), os imóveis (23%) e só depois os planos de previdência (12%).

Ainda de acordo com a pesquisa, 8% dos homens têm investido em ações ultimamente, ante apenas 3% das mulheres.

Tendências: