Lixo eletrônico, você recicla?

Denise Juliani

22 de fevereiro de 2010 | 20h12

O Brasil é o mercado emergente que gera o maior volume de lixo eletrônico per capita a cada ano. O alerta é da ONU, que nesta segunda-feira, 22, lançou seu primeiro relatório sobre o tema e advertiu que o Brasil não tem nem estratégia para lidar com o fenômeno, e o tema sequer é prioridade para a indústria, mostra reportagem de Jamil Chade no portal do Estadão.
O estudo foi realizado pelo Programa da ONU para o Meio Ambiente (Pnuma), diante da constatação de que o crescimento dos países emergentes de fato gerou maior consumo doméstico, com uma classe média cada vez mais forte e estabilidade econômica para garantir empréstimos para a compra de eletroeletrônicos. Mas, junto com isso, veio a geração sem precedente de lixo.
Por ano, o Brasil abandona 96,8 mil toneladas métricas de PCs. O volume só é inferior ao da China, com 300 mil toneladas. Mas, per capita, o Brasil é o líder. Por ano, cada brasileiro descarta o equivalente a meio quilo desse lixo eletrônico. Na China, com uma população bem maior, a taxa per capita é de 0,23 quilo, contra 0,1 quilo na Índia.
O Brasil também é o segundo maior gerador de lixo proveniente de celulares, com 2,2 mil toneladas por ano e abaixo apenas da China. Entre as economias emergentes, o Brasil é ainda o terceiro maior responsável por lixo de aparelhos de TV. É 0,7 quilo por pessoa ao ano, mesma taxa da China. Nesse setor, os mexicanos são os líderes.
Segundo o estudo da ONU, falta uma estratégia nacional para lidar com o fenômeno e a reciclagem existente hoje não é feita de forma sustentável.
De fato, apesar de algumas iniciativas, o consumidor que quiser descartar de maneira correta seu lixo eletrônico tem poucas opções.
Algumas empresas que atuam no Brasil recolhem produtos, mas apenas os de sua marca. A fabricante de computadores Dell, por exemplo, tem um espaço em seu site para que os consumidores solicitem a retirada dos computadores usados que não querem mais. A Itautec aceita equipamentos de sua marca e encaminha para reciclatem, mas o cliente precisa entregá-los em locais definidos pela empresa. Para saber onde é preciso enviar um email à empresa. A operadora Vivo aceita baterias e celulares usados mas apenas nas lojas próprias.
Existem associações que encaminham os objetos indesejados mas ainda funcionais para instituições sem fins lucrativos ou para a reciclagem. Uma delas é a ABRE (Associação Brasileira de Redistribuição de Excedentes)

Outras iniciativas:
Oxigênio
Comitê para a Democratização da Informática (CDI)

Mais informações também no site Lixo Eletrônico

E você, o que faz com seus equipamentos eletrônicos sem uso? Acumula no quartinho da bagunça? Doa? Vende? Joga no lixo comum? Conte pra gente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.