Investimento em criptomoedas rende 17% em 15 dias; acompanhe

Investimento em criptomoedas rende 17% em 15 dias; acompanhe

Sílvio Guedes Crespo

16 de janeiro de 2018 | 05h00

[ATUALIZAÇÃO: Na terça-feira (30/01), às 20h, darei uma palestra online gratuita sobre como comprar criptomoedas com segurança. Para participar, se inscreva clicando aqui.]

A carteira de investimentos formada pelo bitcoin e por mais 19 criptomoedas, que eu iniciei há 15 dias, teve um rendimento até agora de 17,2% (entenda o bitcoin em 1 minuto).

A moeda virtual que mais subiu no período foi a NEO, com ata de 133,4%, enquanto a que mais caiu foi a Verge, com queda de 44,3% (veja quanto subiu ou caiu cada criptomoeda da carteira).

No dia 31 de dezembro de 2017, dei início ao experimento que agora eu chamo de Cripto20. Trata-se de um investimento em 20 criptomoedas diferentes, incluindo o bitcoin. Na ocasião, destinei R$500 a cada uma dessas moedas virtuais, totalizando um capital inicial de R$ 10 mil. Às 23h59 do dia 15 de janeiro, a carteira estava valendo R$ 11.722.

Enquanto a carteira Cripto20 subiu 17%, o bitcoin teve uma queda de 4,65%. O gráfico abaixo mostra a evolução da Cripto20 desde que ela foi criada. O pico ocorreu no dia 7 de janeiro, quando chegou a valer R$ 14.229.

Variação da carteira de 20 criptomoedas em 2018

Neste outro gráfico, abaixo, a linha vermelha informa qual seria o valor da carteira se eu tivesse investido R$ 10 mil apenas em bitcoin, em vez de dividir nas 20 criptomoedas.

Variação do bitcoin e da carteira cripto20 em 2018

Se eu tivesse investido somente em bitcoin, o pico da carteira nos últimos 15 dias teria sido de R$ 11.863, bem mais baixo do que os mais de R$ 14 mil registrados pela Cripto20. Hoje, eu teria R$ 9.916 se tivesse comprado somente bitcoins.

Depois que iniciei o experimento, muita gente me perguntou quais foram as corretoras que utilizei para fazer a compra das criptomoedas.

Respondendo, utilizei as seguintes: Foxbit (somente para bitcoin), Poloniex (11 moedas), Bitfinex (5 moedas), Binance (duas) e BitGrail (duas).

Mas aí surgiu um outro problema: algumas pessoas foram atrás dessas corretoras e não conseguiram abrir conta, pois parte dessas empresas não está permitindo a entrada de novos clientes.

Isso tem acontecido muito. Conforme aumentou a procura por criptomoedas, nos últimos meses diversas corretoras suspenderam a abertura de novas contas.

Falarei sobre isso na minha próxima palestra online gratuita, dia 30/01, às 20h. Para se inscrever, clique aqui.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.