O que Ashton Kutcher pode ensinar à sua carreira

Fernando Scheller

26 de maio de 2011 | 15h45

“Cara, Cadê o Meu Carro”, “Sexo sem Compromisso”, “Jogo de Amor em Las Vegas” e a série “That 70’s Show”. Por mais que Ashton Kutcher seja um nome conhecido, digamos que em sua ocupação principal – ator -, seu currículo não prime exatamente pela qualidade. No entanto, ele acabou de assinar um contrato de US$ 1 milhão por episódio para substituir Charlie Sheen na série “Two and a Half Men” e uma das celebridades com maior número de seguidores no Twitter.

No cinema e na TV, ele acaba por interpretar variações muito próximas de si mesmo – o cara meio abobado, mas de bom coração. Até mesmo um sedutor de mulheres mais velhas o atual marido de Demi Moore já interpretou no filme “Jogando com Prazer”. No entanto, ele soube contornar as próprias limitações para se tonrar um exímio homem de negócios. E seus interesses, pasmem, vão muito além do mundo do cinema ou dos seriados de TV.

De acordo com uma reportagem do “The New York Times”, o ator e modelo é um investidor em startups de internet, entre elas a rede social Foursquare, o aplicativo de compartilhamento de fotos Path e um aplicativo de leitura para o iPad chamado Flipboard. Investir em uma empresa nascente é arriscado (mas há de se considerar que Kutcher tem capital disponível, já que só a próxima temporada de “Two and a Half Men” deve render-lhe mais de US$ 20 milhões). No entanto, os ganhos também são exponenciais.

Ainda é cedo para dizer se as empresas acima renderão milhões para o investimento de US$ 50 mil a US$ 200 mil que geralmente exigem, mas é possível afirmar que pelo menos uma aposta do ator de 33 anos já deu bons frutos. Ele foi um dos primeiros a investir no site de ligações à distância Skype, em 2009, em um acordo avaliado em US$ 2,75 bilhões. No mês passado, a Skype foi comprada por três vezes este valor.

Ou seja: se você quiser refletir sobre sua carreira, buscando exemplos de superação de limitações pessoais, de marketing pessoal e de investimentos inteligentes, a verdade é uma só: até Ashton Kutcher pode ajudar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.