Profissional ‘estável’ ainda é valorizado no mercado, diz especialista

Fernando Scheller

18 de janeiro de 2011 | 16h06

Em tempos em que boa parte dos especialistas argumenta que os ciclos dos profissionais estão ficando mais curtos nas empresas (hoje, estaria mais próximo de três a cinco anos), muitos processos seletivos ainda valorizam uma característica que andou meio fora de moda ultimamente: a estabilidade.

A sócia-diretora da Mariaca, Patricia Epperlein, conta que, recentemente, buscou um executivo de marketing para uma empresa da área de educação e percebeu que a companhia estava achando a permanência dos profissionais em empregos anteriores curta demais. “Em alguns casos, não queriam nem entrevistar. Eles buscavam alguém que demonstrasse estabilidade, que parecia ter completado um ciclo dentro da empresa.”

Segundo Patricia, a visão atual de que o profissional mais jovem, abaixo de 30 anos, não está interessado em permanências mais longas é exagerada. “Há, sim, gente que busca desenvolvimento, estabilidade, permanência longa. E é algo que o mercado brasileiro valoriza.”

E você? Pula de galho em galho ou costuma ficar um longo período nas empresas onde trabalha? Tem algum caso para contar? Partilhe com a gente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.