Uma rede social para profissionais que querem mudar o mundo

Fernando Scheller

09 de fevereiro de 2012 | 16h51

A rede de escritórios compartilhados Hub, que reunirá 40 unidades no mundo até o fim de 2012 (sendo pelo menos cinco no Brasil, duas das quais em São Paulo), baseia a escolha dos profissionais que usam seus espaços de acordo com a proposta de negócio. A ideia é que todos os que compartilhem os espaços do Hub queiram, além de ganhar dinheiro, trazer alguma contribuição positiva para o mundo.

Na unidade que já está aberta em São Paulo, nos Jardins, há negócios como a Carbono Zero Courier, que substitui as entregas feitas de moto por couriers que usam a bicicleta (e, portanto, não emitem gás carbônico na atmosfera). A empresa, aberta há pouco mais de um ano, já atingiu o “break even”, e agora é capaz de arcar com as próprias contas. Mas, por causa dos custos, mantém-se no escritório compartilhado. (O custo máximo para usar o escritório é de R$ 800 ao mês, mas o Hub concede “bolsas” que reduzem esse valor)

Hoje, só no Brasil, mais de 215 empreendedores já fazem parte de uma rede de contatos criada pelo Hub. Para potencializar esse efeito e tornar esse networking mundial, o Hub está criando uma rede social que reunirá todos os empreendedores que passaram por seus escritórios nos últimos cinco anos. Assim, além de trocar ideias, os profissionais poderão também encontrar alguns fornecedores que tenham a mesma preocupação por trás de seus empreendimentos: fazer um mundo melhor.

Para conhecer mais o Hub, acesse o site do projeto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.