Negócios de nerds para nerds proliferam

Negócios de nerds para nerds proliferam

Claudio Marques

16 de setembro de 2013 | 08h03

Marcelo Forlani é um dos fundadores do portal OmeleteCris Olivette
Nerds e geeks são aficionados por tecnologia, games, quadrinhos, super-heróis e cinema. Mas entender tudo desses assuntos não tem sido suficiente para aqueles que têm espírito empreendedor. Jovens que se definem como nerds estão criando negócios direcionados para essa paixão.

“Crescemos sendo chamados de nerds, no sentido de que vamos fundo naquilo que gostamos”, diz um dos fundadores do portal Omelete, Marcelo Forlani. Segundo ele, o site reúne o maior acervo do Brasil de conteúdo para esse público. Forlani conta que a ideia de criar o negócio surgiu em 2001. 

“Meu sócio Érico Borgu e eu adoramos quadrinhos e pensamos em criar algo para melhorar esse mercado no Brasil. Para atrair mais público, adicionamos outros ingredientes como cinema, música, séries e games. Foi assim que surgiu o nome, porque podíamos adicionar vários ingredientes como se faz no preparo de uma omelete.”

Forlani diz que o portal emprega 30 pessoas e dobra de tamanho a cada ano. “Em 2011, faturamos R$ 1, 3 milhão e, no ano seguinte, R$ 3 milhões. Em 2013, ficaremos entre R$ 5 milhões e R$ 7 milhões.” Para ele, a receita do sucesso é empreender numa área em que se gosta.

Aos 29 anos, o dono da importadora Pizzi Toys, Renan Orenes , diz que seu traço mais nerd é a paixão por colecionáveis. “Não sou do tipo que assiste 15 vezes a um filme, mas é claro que gosto de cinema, séries e games.” Orenes conta que a empresa começou como e-commerce, mas ao notar a falta de produtos no mercado, fechou o site e criou a importadora.

“Em 2011, fundei a Iron Studios, que desenvolve e cria peças que são fabricadas na China e voltam para serem vendidas exclusivamente no mercado brasileiro. Criar produtos de linha própria foi a solução que encontramos para crescer sem competir com o mercado informal ”, afirma. Hoje, a empresa tem licença para fabricar produtos das marcas Ayrton Senna, Simpsons e Marvel.

Segundo ele, após a criação da nova empresa, o faturamento aumentou 30%. Hoje, a Iron Studios é uma das cinco empresas no mundo a produzir colecionáveis da Marvel. “Estamos desenvolvendo várias novidades relacionadas à Star Wars, agora que a Disney, dona da Marvel, comprou a Lucas filmes e vai relançar os filmes da série a partir de 2015. Nossa intenção é fechar contrato para sermos a única empresa da América Latina a produzir essas peças”, diz.

Foi só depois de recorrer a um leilão virtual para vender algumas peças de sua coleção, que o dono do e-commerce e da loja física Limited Edition, Rodolfo Balestero, resolveu empreender. “Fiquei impressionado com a velocidade da venda e comecei a pesquisar esse mercado, fiz alguns testes e decidi criar o negócio.”

Balestero é aficionado por animes (desenhos japoneses) e por filmes de heróis como Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball. “Sempre gostei dessa possibilidade nostálgica de ter miniaturas de personagens de filmes e desenhos que eu gostava na infância”, afirma.

O empresário conta que entre 2009 e 2011 o negócio cresceu 15 % e que no ano passado, 20%. “Em 2013 estamos vendo que o crescimento está perto de 30%.” Segundo ele, o segredo para fazer um negócio dar certo é conhecer o produto e o público, além de atender o cliente de forma que ele tenha vontade de voltar à loja ou de comprar novamente no site. “A loja tem 170 m² e possui lounge e café, para que os clientes possam conversar. Muitos viram amigos.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: