Como se preparar para a Black Friday

Especialistas dizem que os lojistas ainda têm tempo de se organizarem para aproveitar o dia de promoções que ocorre em 23 de novembro

CRIS OLIVETTE

28 Outubro 2018 | 08h02

Jordana Donizetti, fundadora do Manifesto PinUp. Foto: Ricardo Matsukawa/Divulgação

A preparação para a Black Friday 2018, uma das datas mais importante para o varejo, que neste ocorre em 23 de novembro, mobiliza donos de lojas físicas e virtuais. O lojista que até agora não pensou no assunto, ainda pode se programar e aproveitar a data, que neste ano tem previsão de faturar 15% mais em relação a 2017, conforme mensuração feita por Ebit/Nielsen.

O montante total de transações, de acordo com o estudo, pode chegar a R$ 2,43 bilhões. Pelo levantamento, 88,6% dos consumidores pretendem comprar na Black Friday, tendo a internet como o principal canal.

Fundadora da loja virtual Manifesto PinUp, Jordana Donizetti diz que já contratou uma pessoa especializada em fluxo e trânsito em sites para não ter problemas em sua loja online no dia do evento. Segundo ela, peças de coleções passadas terão desconto de 50% e da coleção atual de 35%. “Meu estoque está bem sortido para atender a demanda. Na edição de 2017, o faturamento aumentou 70% em relação ao mês anterior.”

Para ampliar o poder de atração da marca, Jordana criou a Black Friday Retrô. “Fechei algumas parcerias e as clientes que comprarem acima de determinado valor ganharão um ensaio fotográfico para vivenciarem a experiência de serem PinUp por um dia.”

A fundadora da loja Arquitetura do Sono, Joselene Mendes, conta que no ano passado decidiu participar da Black Friday em cima da hora. “A promoção durou uma semana e salvou o mês. A ação representou 40% das vendas daquele mês. Neste ano, espero dobrar o volume de transações.”

Diferentemente de 2017, ela não dará descontos em todos os produtos da loja, que vende colchões e roupas de cama. “Escolhi alguns itens específicos para ter foco mais direcionado e darei descontos entre 15% e 40%.”

Joselene diz que está mais organizada para aproveitar a data. “Vou colocar adesivos na vitrine anunciando os descontos e estou preparando divulgação pelas redes sociais e e-mail marketing.”

Joselene Mendes, fundadora da loja Arquitetura do Sono. Foto: Fernando Vargas/Divulgação

A estrutura básica de comunicação, segundo o consultor do Sebrae Alexandre Giraldi Moreira, é a mesma para lojas físicas e virtuais. “A divulgação deve ser feita nos canais de comunicação que já são utilizados pelo lojista, como jornal de bairro, encarte em revista, folhetos, faixas, placas, mala-direta, e-mail marketing e redes sociais.”

Moreira considera a data importante para atrair novo público, bem como para se reaproximar de clientes antigos que estão sumidos. “É uma ótima oportunidade para oferecer produtos novos, comprados com antecedência especialmente para a data, ou para melhorar o fluxo de caixa, desovando itens que estão parados no estoque.”

Segundo ele, é importante que o público saiba com antecedência os itens que serão vendidos com descontos, para criar expectativa e estimular o boca a boca. “Pode, inclusive, aceitar reservas com antecedência.”

Bê-á-bá

O Sebrae criou um e-book em que orienta comerciantes e aponta o passo a passo que deve ser seguido para aproveitar a data. O download é feito no endereço virtual http://campanha.sebraesp.com.br/blackfriday/.

Gerente de marketing da empresa de sistema para emissão de documentos fiscais eletrônicos e de gestão empresarial Myrp, Marcos Gaubert diz que o planejamento é a base para obter sucesso nas vendas.

Alexandre Giraldi, consultor do Sebrae. Foto: A.G./Divulgação

“É fundamental garantir que haja estoque suficiente para atender a demanda. No caso de comércio online, é importante que o site tenha estabilidade e estrutura para suportar o aumento de acesso e para que continue operando de modo eficiente, sem ficar lento ou cair.”

Moreira concorda e diz que é recomendável verificar com o fornecedor da plataforma qual é o fluxo de usuários que ela tem capacidade de suportar.

“Também é bom diversificar os tipos de pagamento nesse período. Se conseguir ampliar as opções de pagamento fica mais fácil agradar a uma gama maior de clientes. É possível contratar esses serviços por períodos variados ou criar links de pagamento com bancos e operadoras de pagamentos online”, afirma Moreira.

Marcos Gaubert, gerente de marketing da Myrp. Foto: Lucas Testoni/Divulgação

No quesito descontos, Gaubert diz que é possível fazer grandes promoções sem prejudicar o caixa, basta aplicar os descontos com planejamento estratégico. “É preciso considerar o volume de estoque e o perfil dos clientes. Avalie quais produtos saem mais, qual o preço médio da mercadoria e qual o impacto real do desconto sobre eles. Produtos mais caros podem ter descontos significativos e gerar mais atratividade.”

Segundo ele, uma boa alternativa é apostar na indicação de produto complementar ao item selecionado. “Outra dica é atrelar a compra de produtos indicados pelo site com a concessão de vantagens como frete grátis.”

Gestor da De Tomasso, marca de molhos e antepastos, Vitor Inglez diz que a sua estratégia será divulgar as promoções nas redes sociais e oferecer descontos progressivos. “Darei desconto conforme o volume de compras, partindo de 30% até 50%, para combo de três, seis, nove e 12 potes”, conta.

Vitor Inglez, fundador da De Tommasco. Foto: Ricardo Matsukawa/Divulgação

Os produtos são vendidos no site Peti

scador, com o qual tem parceria, e também na loja física, inaugurada há dois anos – antes só vendia no atacado. Sua expectativa é de que a loja física alcance o faturamento de um mês no dia da ação. “A loja terá horário estendido e ficará aberta até as 22 horas. Farei o remanejamento de três pessoas de outra área para me ajudarem no atendimento.”

A dona da marca Ethus, Ketlyn Macedo, criou uma maneira peculiar de oferecer vantagem e prolongar o contato do cliente com a marca. “Distribuo cupons de descontos que podem ser usados nos três meses seguintes ao evento. Essa estratégia faz com que as pessoas acompanhem os lançamentos e contribui para a fidelização.”

Segundo ela, o grande desafio é manter o público que visita a loja durante a Black Friday. “Para isso, trabalhamos muito com e-mail marketing na tentativa de atraí-los nos outros períodos do ano.” Ketlyn diz que vai aplicar descontos de 10% a até 70%.

“Aplico desconto maior nas peças de inverno e os menores nas peças consideradas atemporais. Nossas peças são sem gênero, porque nosso maior público é LGBT frequentador de baladas, por isso, trabalho com tecidos diferenciados.”

E-commerce
As páginas devem ser leves, com fotos, dinâmicas e com informações acessíveis. O pessoal do estoque deve estar preparado e o envio deve respeitar prazo ofertado. Os preços e formas de pagamento devem estar claros. A plataforma deve se manter estável e ser capaz de suportar o aumento do tráfego

Loja física
O estoque deve estar bem organizado para facilitar a procura dos produtos. Vendedores devem estar preparados para o aumento do fluxo de vendas. Os produtos devem estar bem dispostos para facilitar a visualização

Divulgação
A divulgação deve ser feita tanto nas mídias online quanto nas físicas. Oferecer boa experiência de compra é fundamental para fidelizar novos clientes