Desafios exigem reciclagem constante do empreendedor

Desafios exigem reciclagem constante do empreendedor

Cursos de atualização e consultorias especializadas são importantes para manter os negócios competitivos, principalmente durante crises

Claudio Marques

08 de janeiro de 2017 | 08h00

O casal Alda de Fátima de Oliveira e Anorval Pereira de Oliveria é dono de uma loja de autopeças em Diadema e faz cursos de atualização Foto: Patrícia Cruz/Sebrae-SP/DIVULGACAO

O casal Alda e Anorval Oliveria é dono de uma loja de autopeças | Foto: Patrícia Cruz/Sebrae-SP/Divulgação

 

Caroline Monteiro / Especial para o Estado

Depois de um ano de crise, muitos empreendedores podem ter dúvidas sobre como seguir com o próprio negócio. Por isso, é bom aproveitar o começo do ano para repensar os próximos passos da empresa e se reciclar profissionalmente. É o que vem fazendo Alda de Fátima Oliveira, de 44 anos. Em 2009, ela pediu demissão de um cargo de chefia em companhia moveleira e tomou a frente da loja de autopeças do marido, Anorval Pereira de Oliveira, de 47 anos.

Na época, a empresa tinha sofrido um baque causado pelo incentivo fiscal do governo a automóveis novos. “Ninguém ficava com o carro velho, porque era mais fácil comprar um zero-quilômetro e ninguém queria saber de peças automotivas.”

Para alavancar o faturamento, Alda deu um passo importante para renovar a empresa, localizada em Diadema. “Tirei a loja do bairro e migrei para uma avenida mais movimentada, em um espaço que era o dobro do antigo, mesmo sem ter estoque para ocupar 300 m²”, diz. “Eu quis quebrar o estereótipo de que comércio relacionado a carro tem de ser sujo e cheio de graxa. Fiz questão de ter um local limpo e bonito.”

As primeiras mudanças trouxeram mais credibilidade tanto para os clientes quanto para os funcionários. “A gente tinha dificuldade em contratar. Ninguém queria trabalhar na autopeças. Depois da renovação, ficou mais fácil conquistar os candidatos”, diz.

Três anos depois da primeira reestruturação, Alda fez matrícula para ela e o marido em um curso de estratégia empresarial do Sebrae, em 2012. “Foi essencial para profissionalizarmos a loja definitivamente. Criamos objetivos, traçamos os pontos fortes e fracos do negócio, captamos clientes grandes, como a seguradora Porto Seguro e a Caçula de Pneus, e investimos em tecnologia e capital humano. Tudo com o que aprendemos no treinamento”, conta Alda.

O curso previa uma meta de faturamento que deveria ser cumprida em dois anos. Alda e o marido definiram um valor, mas o consultor do Sebrae duplicou o desafio. Em 2014, a empresa de autopeças atingiu a meta, depois de ganhar um prêmio de melhor loja do ramo, que reconhecia a qualidade do atendimento, do estoque, da entrega e do pós-venda.

O reconhecimento foi essencial para que os Oliveira continuassem buscando atualização. Contrataram uma contadora para dar consultoria tributária e financeira. “Revemos a tributação da empresa e dos produtos com que trabalhávamos, porque, após a expansão de faturamento, o negócio não cabia mais no Simples Nacional, regime de tributos das micro e pequenas empresas”, conta.

Em 2015, uma psicóloga passou seis meses dentro da loja, trabalhando o comportamento dos donos e dos funcionários. A profissional aplicou testes de agilidade e produtividade e capacitou uma funcionária de recursos humanos. “Eu cuidava sozinha do RH. Agora, temos alguém exclusivo para fazer seleção e recrutamento”, diz Alda, que aproveitou o ano para concluir mais dois cursos: um de gestão financeira e outro de gestão de pessoas. “Tem empresário que acha que isso é desnecessário. Mas foi essencial para que a empresa fluísse melhor e tivesse a capacidade de gerenciar bem os 38 funcionários que temos agora.”

Ano passado, o casal continuou investindo em capacitação. A empreendedora contratou um treinamento de liderança para oito funcionários. A ideia era motivar os colaboradores a identificar quais qualidades pessoais poderiam agregar à empresa. Alda e o marido fizeram ainda um curso de inovação. “Foi importante, porque nos motivou a encontrar a melhor tecnologia do mercado, tanto para os processos internos como externos.”

Desde o primeiro curso, em 2012, os empreendedores vêm investindo não apenas na reciclagem profissional, como também da marca. Modernizaram o logotipo da Gol Autopeças, criaram um site, ampliaram o portfólio, colocaram a marca da empresa em todos os baús dos motoboys e compraram um carro, também identificado.

Para 2017, o objetivo é traçar um plano de marketing e abrir um centro de distribuição. Dessa forma, podem expandir o raio de atendimento da loja para outras cidades da região.
“O empreendedor tem de buscar sempre capacitação e não desanimar, conhecer melhor o ramo e a concorrência. Se esperar de braços fechados, a crise leva”, aconselha Alda.

Para a consultora do Sebrae Cristiane Viude Fernandes Sevilla, a capacitação e a busca por informações é o diferencial diante da recessão. “Não investir em conhecimento é um tiro no pé”, afirma. “Ainda prevemos um ano difícil economicamente para o País. Por isso, a reciclagem deve ser prioridade neste momento”, diz.

Segundo o coordenador da comissão de empreendedorismo da Câmara de Comércio França-Brasil, Daniel Brandão de Castro, manter um conselho administrativo também é uma excelente forma de se manter atualizado. “A dica vale principalmente para os jovens empreendedores. Tenha contato com quem tem mais visão de mercado, alguém que possa dar palpites e sugestões.”

Brandão afirma que a época é boa para criar networking, por meio de eventos, feiras, câmaras de comércio, instituições de fomento a negócios e redes sociais. “Aproveite janeiro, que é mais devagar, para ir atrás de investimentos. Existe até app que busca crowdfunding”, indica.

 

COMO PLANEJAR

Para a consultora do Sebrae-SP, Cristiane Viude Fernandes Sevilla, é importante alinhar algumas variáveis antes de iniciar uma nova capacitação:
Objetivos
Trace metas que façam sentido na vida profissional e pessoal. Veja quais são as expectativas para o negócio. Depois, pense que tipos de palestras ou cursos combinam com esses objetivos.
Tempo
Defina quando você precisa ter o novo curso concluído e quanto tempo da sua rotina pode ser dedicado a ele. Assim, saberá se o treinamento tem de ser curto ou longo, online ou presencial.
Preço
Veja o tamanho do seu orçamento. Muitas instituições, até internacionais, oferecem aulas gratuitas na internet.

 

VEJA ALGUNS CURSOS

Como Economizar em Tempo de Crise, na FGV (online)

Planejamento Estratégico, no Sebrae (online)

Empreendedorismo, em Harvard (online)

Gerenciamento de Projetos, no Ibmec (online)

Técnicas de Venda para Microempreendedor, no Sebrae (presencial)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.