É possível potencializar valor e imagem do negócio com ações simples

É possível potencializar valor e imagem do negócio com ações simples

Aperfeiçoamento constante e ampliação do mix de produtos ou de serviços estão entre as práticas que ajudam a valorizar empresa

Claudio Marques

03 de janeiro de 2015 | 19h03

VALOR EMPRESA

Cris Olivette
O uso de novas tecnologias provocou mudanças no mercado imobiliário e levou o diretor da Qualiti Imóveis, Fabiano Neaime, a contratar uma consultoria para reposicionar a empresa. “A velocidade da informação no mercado de venda e locação de imóveis ficou muito rápida. O negócio tinha de entrar nesta mesma sintonia para atender as expectativas dos clientes que querem, cada vez mais, respostas rápidas e online”, diz.

Para melhorar a imagem e valorizar a empresa, a Qualiti modificou processos, a forma de atendimento e investiu nos funcionários. “Implementamos um trabalho forte de coaching e de motivação envolvendo toda a equipe. Também tornamos os processos mais claros e definimos melhor a missão e os valores da empresa.”

Segundo Neaime, com a criação de um novo site foi possível oferecer áreas com produtos segmentados. “As mudanças incluíram a formação de equipes de corretores especializados. Temos profissionais que só trabalham com a venda de imóveis acima de R$ 2 milhões. Outro time domina a área de empreendimentos de um e dois dormitórios de alto padrão”, conta.

A Qualiti oferece, ainda, pessoal especializado no atendimento de expatriados. “São corretores que dominam outros idiomas e foram treinados para dar uma visão sobre a cidade de São Paulo. Eles têm real conhecimento do assunto e transmitem segurança aos clientes. Acredito que a segmentação é o futuro”, avalia.

O empresário conta que o maior desafio foi obter a participação e colaboração de todos. “A marca sozinha não é nada se não tiver as pessoas por trás. Agora, todos estão mais contentes e o atendimento melhorou, assim como os resultados.”

Segundo o diretor da consultoria Vecchi Ancona, Paulo Ancona, qualquer projeto voltado ao reposicionamento de mercado, renovação de produtos ou de serviços, que aprimore o atendimento, vai contribuir para melhorar a imagem, tanto interna quanto externa da empesa. “Se o negócio não for bem visto pelos colaboradores, dificilmente conseguirá transmitir boa coisa ao mercado.”

Ancona afirma que as empresas têm feito grande esforço para acompanhar o que os concorrestes estão fazendo. “Porém, para melhorar a imagem e o valor é preciso andar mais rápido que os demais. Nesta corrida, é importante olhar o que é possível incluir de diferencial.”

O consultor afirma que participar de projetos sociais, culturais ou de sustentabilidade também agrega valor ao negócio. “A empresa faz parte de uma sociedade, ela não existe só para entregar coisas e colocar dinheiro no caixa. Há toda uma interação entre pessoas, empresas e governo. Isto forma um País. Ao se posicionar de forma positiva nestes projetos, deixará claro que faz parte da sociedade e será muito melhor vista.”

O presidente da Fran Systems, Estratégia e Desenvolvimento de Negócios, Batista Gigliotti acrescenta que melhorar o mix de produtos também propicia vários ganhos. “A otimização do mix ajuda a melhorar o desempenho geral do negócio e, portanto, sua imagem.”

Gigliotti afirma que com o dinamismo atual do mercado, o ideal é que o negócio se renove todos os dias. “Não só em produtos ou serviços, mas também em processos e no modelo de gestão. Inovação nada mais é do que a criação de uma ideia associada à uma captação de valor. Ao inovar, estará se colocando à frente dos demais.”

A marca Doce de Marias nasceu com a proposta de reinventar o pão de mel, mas continua inovando e se renovando continuamente. “Começamos fazendo só pão de mel de colher com nove tipos de recheios bem diferentes”, conta Leda Pacheco, que tem como sócio o namorado, Rodrigo Vascontin.

OPORTUNIDADES

Em pouco tempo, Leda aumentou o mix de produtos para atender a demanda dos clientes, que começaram a pedir mais opções de doces. “Criamos a linha de bolos de colher e logo incluímos receita própria do bolo de churros, nova mania que estava surgindo entre os consumidores. Acho que os potes dos doces, que são reutilizáveis, diferenciam a marca.”

Perto de completar um ano de operação, recentemente a Doce de Marias atendeu outra demanda. “Começamos a produzir uma linha mais fina de doces para festas de casamento.”

Com crescimento médio de 15% ao mês, o negócio cresceu 200% no mês passado. “Por conta das encomendas de final de ano, demos um salto, mas dezembro não é um bom parâmetro.” Leda diz que os produtos são vendidos pela internet e em feiras gastronômicas. “Uma loja física está em nossos planos para o início de 2015”, conta.

Tudo o que sabemos sobre:

Doce de MariasQualiti Imóveis

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: