Embalado, mercado de casamentos faz a festa em 2012

Embalado, mercado de casamentos faz a festa em 2012

Claudio Marques

23 de abril de 2012 | 09h00

Cris Olivette
Antes de entrar no segmento de serviços para festas de casamento, os irmãos Felipe e Natália Ebone pesquisaram o setor. “Visitamos todas as feiras de casamento que ocorrem em São Paulo e vimos que o mercado está mega aquecido”, conta Felipe.
A conclusão dos Ebone é comprovada pela Associação dos Profissionais, Serviços para Casamentos e Eventos Sociais (Abrafesta), que aponta um faturamento estimado de R$ 14, 8 bilhões para 2012 – crescimento de 16% em relação ao ano passado.
Segundo os últimos dados disponíveis no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de casamentos no País cresceu 25% entre 2003 e 2009. No mesmo período, gastos com festas e cerimônias aumentaram 52%.
“O grande diferencial do setor é que uma festa de bodas reúne vários pequenos negócios talentosos, que juntos conseguem oferecer novidades e dar toques diferentes à comemoração”, diz a presidente da Abrafesta, Vera Simão, há 27 anos no ramo.
Entre esses empreendedores estão os irmãos Ebone. Após investir R$ 800 mil em reforma, compra de mobiliário e equipamentos, Felipe e Natália abriram o Bello Eventos e Gastronomia, com foco no público das classes B e C. A casa de dois andares, instalada na Praça Benedito Calixto, em Pinheiros, na capital, abriga o buffet e pista de dança. Eles contam que a proposta é atrair festas com até 150 pessoas sentadas. Inaugurado em agosto de 2011, o buffet também oferece seus serviços em outros locais, além do próprio espaço.
Especializada em criar bonecos de biscuit (massa feita a partir de amido de milho), como os mostrados abaixo, além de bolos e doces, a chef e proprietária da Sweet Cake. Danielle Andrade, diz que seu alvo principal são os casamentos.O negócio que começou dentro de um apartamento, ocupa hoje uma casa no bairro de Perdizes, que acabou de ser ampliada. Trabalhando com 12 profissionais, a chef atende a cada final de semana de 15 a 20 casamentos. “Produzimos oito vezes mais do que há sete anos, quando começamos.”
Um outro item que compõe o setor e garante o sucesso do evento é o de cenografia. Marcelo Bacchin atua há 14 anos como cenógrafo de festas e avalia que sua empresa tem crescido 15% ao ano. Segundo ele, festas para comemorar aniversários de 15 e de 50 anos “estão estourando” no momento. “No baile de debutante, muitas famílias investem mais do que em festa de casamento”, revela.
No Rio, Patrícia Gergull oferece o produto mais cultuado entre as noivas – o vestido. Ela criou a loja La Boda, na Barra da Tijuca, há quatro anos. Patrícia investiu R$ 300 mil, gastos com a instalação da loja e aquisição de mercadoria.
“No segundo ano, a loja cresceu 250% em relação ao primeiro; no terceiro ano, o pulo foi de 72%”, afirma. Para 2012, ela estimava expansão de 56%. Porém, até o momento, a taxa de crescimento já atingiu 75%. Uma boa opção para quem deseja entrar no ramo, é criar espaços para festas. “A escassez de locais para eventos é a maior carência do setor. Também faltam igrejas, pois as cerimônias se concentram às sextas e sábados”, diz Vera.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.