Empresa de software começou na sala do sogro do fundador

Empresa de software começou na sala do sogro do fundador

Em 1989, Ladmir Carvalho usou seu conhecimento tributário e eletrônico para criar a Alterdata

blogs

30 de julho de 2018 | 13h51

Carvalho. ‘Ficamos muito atentos a viradas tecnológicas’ Foto: Rogério Pacheco/ALTERDATA

Por: Mateus Apud*

Entender as demandas do mercado é fator fundamental para empreender. Em 1989, aos 25 anos, o bacharel de direito Ladmir Carvalho constatou uma oportunidade de negócio no mercado de tecnologia: o desenvolvimento de softwares para área tributária. Ele diz que o fato de ter trabalhado com o pai no conserto de equipamentos eletrônicos e o conhecimento em tributos proporcionado pela graduação o ajudaram a perceber a possibilidade. Assim, naquele ano, o jovem e mais um sócio, José Ronaldo da Costa, com 20 anos, fundaram a Alterdata Software.

“Nós começamos a empresa sozinhos, só ele e eu, sem investimento nenhum. Eu trabalhava em uma mesa emprestada na sala do meu sogro e ele, em sua casa”, conta Carvalho. Mas a percepção a respeito das possibilidades do negócio estavam certas e a empresa também passou a produzir softwares para os setores de comércio, contábil e industrial. Assim, e conseguiu crescer ao longo desses 29 anos de atuação.

Com sede em Teresópolis (RJ), a companhia tem mais de 1.300 funcionários e 96 unidades com área de atuação que abrange 2.500 cidades pelo Brasil. “O grande diferencial da empresa não está no conhecimento técnico ou no software, está no processo de gestão da companhia. No mercado, os softwares estão cada vez mais parecidos, a competição não está mais no aplicativo e sim no modelo de negócio. E temos isso na veia desde o começo”, diz, referindo-se aos “altos investimentos” na equipe e no relacionamento com os clientes.

Universidade corporativa

“A empresa nasceu em Teresópolis (RJ), uma cidade pequena com 170 mil habitantes. Então, desde o começo, nunca esperamos que viessem trabalhar conosco pessoas prontas, experientes e maduras.” Por isso, criou a Universidade Comunitária Alterdata (UCA) para complementar os conhecimentos técnicos, educacional e cultural dos funcionários.

UCA também oferece cursos aos clientes e ao mercado. Em 2017, foram treinadas 52 mil pessoas. “A UCA é importante para gerar cultura em nossos clientes sobre todas nossas linhas de produto. Como fazemos softwares de gestão, muitas vezes não temos de treinar o cliente apenas para utilizar o software em si, mas também em negócios”, afirma.

Carvalho gosta de citar, como prova da boa gestão da empresa, que a Alterdata entrou na lista da Great Place To Work das melhores empresas para trabalhar nos anos de 2008, 2012, 2015 e 2017.
Com tudo isso, a companhia tornou-se a quinta maior do País no ramo, segundo o fundador. “Não imaginávamos que a internet chegaria onde chegou, muito menos a empresa.”
O empreendedor acredita que a evolução tecnológica, ao mesmo tempo em que pode trazer novas oportunidades aos negócios, também é o maior risco do setor. “O planejamento nunca está estável, quando pensamos que está tudo bem, uma tecnologia muda. Então, ficamos muito atentos a todas as viradas tecnológicas, pois são nesses momentos que empresas desaparecem e empresas fortes nascem”, diz ele.

Futuro

Com faturamento de R$ 150 milhões registrado em 2017, a companhia tem como meta crescer 16% neste ano. Para isso, a estratégia em curso é ter mais unidades e representantes pelo Brasil “Acreditamos que o mercado hoje é muito mais propício para quem tem presença. Então, é muito importante estarmos em mais lugares”, afirma Carvalho.

Além disso, a Alterdata pretende aumentar o número de aquisições no mercado: nos últimos três anos foram compradas quatro empresas. E, segundo Carvalho, o número deve aumentar em 2018.

*ESTAGIÁRIO SOB SUPERVISÃO DO EDITOR DE SUPLEMENTOS, DANIEL FERNANDES

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.