Estudo aponta oportunidades em 50 nichos

Estudo aponta oportunidades em 50 nichos

Sebrae considera que comércio digital representa um imenso mercado para pequenos empreendedores com segmentos ainda pouco explorados

CRIS OLIVETTE

14 Dezembro 2014 | 08h08

14.12 Eduardo Campos - Sócio-fundador da Parafuzo

Na área de bem-estar e saúde, há opções no comércio de produtos diet e de alimentos naturais. Já no segmento de festas, as possibilidades estão no aluguel e venda de fantasias, na produção de bolo de noivas e de enfeites, entre outros itens normalmente pouco ofertados por grandes empresas.

Para listar os negócios com maior potencial, o Sebrae identificou, a partir da análise de mais de 50 mil palavras, aquelas mais procuradas em portais de busca, que têm baixo nível de concorrência no e-commerce.

“As palavras foram testadas na ferramenta ‘Planejador de palavras-chave’ do Google Adwords”, explica o presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barreto. Segundo ele, a ferramenta indica a quantidade de buscas mensais por estas palavras-chave e oferece um indicador de concorrência referente à exploração dos termos.

Barreto afirma que a maior parte das palavras estavam relacionada aos produtos mais consumidos pela população, presentes na Pesquisa de Orçamento Familiar do IBGE.

“Também foram consideradas palavras-chave relacionadas à nossa cartilha Ideias e Negócios, que oferece informações essenciais sobre opções de empreendimentos para MPEs. Utilizamos, ainda, verbetes relacionados aos negócios e serviços mais procurados no portal do Sebrae”, diz. O estudo com a lista completa de nichos está disponível em www.sebraemercados.com.br/wp-content/uploads/2014/11/Oportunidade-em-Nicho-do-Varejo-Online-no-Brasil-2.pdf

Para entrar no mercado digital, que neste ano deve faturar R$ 39 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), e que é formado por mais de 51 milhões de consumidores, o empreendedor Eduardo Campos investiu R$ 350 mil na criação da plataforma de serviços Parafuzo (assim mesmo, com “z”), que oferece profissionais das áreas de pintura, elétrica, hidráulica e limpeza. “Não faz mais sentido o cliente ter de pegar o telefone, ligar, pedir orçamento e depois ficar esperando. No Parafuzo, tudo é feito de forma automática, dando a praticidade que o cliente precisa.”

Comissão. Campos diz que a plataforma ganha comissão de cerca de 10% pela intermediação dos serviços. “Até criarmos o negócio, muitos bons profissionais não tinham facilidade de acesso aos clientes. Ser credenciado na plataforma é quase garantia de agenda sempre preenchida.”

A ferramenta indica o profissional de forma automática, mas dá prioridade a dois pontos: o profissional que está na plataforma há mais tempo e aquele que tem as melhores avaliações dos clientes. “Ninguém tem acesso às avaliações, os dados não podem ser visualizados nem manipulados. O sistema é o mais meritocrático possível.”

O fundador da Drogaria Nova Esperança( http://www.drogarianovaesperanca.com.br/), Marcos Dávida, iniciou a loja virtual em 2008. “Hoje, as vendas por este canal representam 24% de nosso faturamento, com crescimento de 62% em 2014”, afirma.

Com 60 funcionários e 8 mil itens comercializados, a empresa atende pedidos de todo o País. “O prazo de entrega depende do frete escolhido pelo cliente, temos fretes com entrega a partir de 24 horas”, diz Dávida.

O dono do Emporio Hedoniste, Marcelo Yabiku, deixou a carreira de executivo para montar negócio de nicho. “A Hedoniste começou como importadora de champanhe francês de pequenos produtores. Depois, tive necessidade de ter um local para apresentar os rótulos, assim, surgiu o empório e restaurante, que também abriga uma fábrica de chocolate.”

PERSONAGEM ecommerce

Yabiku diz que o negócio está em operação há pouco mais de um ano e o faturamento tem crescido entre 15% e 20% ao mês, com pico de 40%. “Agora, estamos nos preparando para estender a operação para o e-commerce a partir de janeiro de 2015. Quero proporcionar satisfação e comodidade aos clientes, além de conseguir alcançar pessoas do País todo. Estimo que o faturamento com a venda de bebidas crescerá de 10% a 20%”, afirma.

Entrevista: Luiz Barreto, presidente do Sebrae

O Sebrae já tinha realizado algum estudo similar?
Este é o primeiro levantamento usando este tipo de metodologia para selecionar ideias de negócios. Apresentamos os nichos mais promissores que foram identificados. Mas isso não é, por si só, garantia de sucesso. Identificar uma boa oportunidade de negócio não diminui a importância de se fazer bom planejamento e se preparar para gerir a empresa.

Em quanto tempo ele foi feito?
A pesquisa de palavras e os testes de concorrência somaram três meses de trabalho.

Como foi possível identificar os mercados que são pouco explorados no e-commerce?
O indicador de concorrência da ferramenta é um dos caminhos. Quando o indicador é muito baixo, significa que ninguém ou quase ninguém faz anúncios com a palavra analisada. Mas é necessário mapear os players relacionados ao mercado, confirmar se há lojas virtuais explorando o tema, testar a busca da palavra e de outras semelhantes e analisar os resultados no buscador. O ideal é constatar que não haja nenhum concorrente explorando exclusivamente o produto pesquisado. Caso já haja alguém empreendendo neste segmento, é importante mapear as potencialidades e diferenciais dos negócios e avaliar a possibilidade de se tornar líder no nicho.

O empreendedor consegue definir os potenciais de cada nicho?
Sim, é possível avaliar os cenários e possibilidades e o estudo indica o passo a passo para obter êxito. O Sebrae também oferece orientação online para as estratégias de marketing e a gestão da operação. De acordo com o estudo, as palavras com maior número de buscas na internet e que têm o menor índice de concorrência têm indicador abaixo de 0,2 pontos.

14.12 Presidente Luiz Barreto_14fev13_rodrigo de oliveira-36

Como testar um nicho?
Os testes pressupõem inserções de vendas experimentais como, por exemplo, o uso de sites de e-commerce, Mercado Livre ou OLX, para medir o desempenho do produto. Interações com canais como anúncios, comunidades virtuais, redes sociais e blogs também indicam o nível de reação na “provocação” do nicho, ou seja, se o produto é bem aceito pelos internautas. É importante ressaltar que a ideia de negocio pode representar, de fato, uma boa oportunidade a partir da análise da taxa de conversão (o resultado do número de vendas dividido pelo total de visitas no site) e de investimentos necessários para concretizar o empreendimento.

O Sebrae pretende fazer estudos específicos sobre outros segmentos para identificar se já estão saturados?
Por enquanto não. Mas conforme ocorrerem as atualizações do estudo atual, teremos a indicação dos nichos que ainda não estão saturados. Entendemos que ainda há espaço nos mercados locais para a comercialização de alimentos saudáveis ou oferta de serviços pouco explorados que devem ser analisados pelos próprios empreendedores.