Ex-office boy fatura R$ 40 mihões com clínicas de saúde
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ex-office boy fatura R$ 40 mihões com clínicas de saúde

Franquia Docctor Med atende 46 mil pessoas por mês em 14 Estados do Brasil

REDAÇÃO

12 Março 2018 | 07h38

Geilson da Silveira. Foto: Fábio Moreira/ Divulgação

Matheus Rigan / Especial para o Estado
Geilson Silveira começou cedo a trabalhar – aos 13 anos de idade, dois anos após a morte de seu pai, como office boy em uma empresa de engenharia. O contato precoce com o mundo corporativo acabou incentivando seu espírito empreendedor. Aos 17 anos, junto com dois amigos, fundou uma pequena gráfica. Depois de um ano e meio, conseguiu vender o empreendimento por cinco vezes o investimento inicial.

Após isso, trabalhou com revenda de carros e promoção de eventos até criar, em 2005, sua clínica de estética, a qual abriu seus olhos para o setor de saúde. Após ter analisado o segmento, decidiu abrir, em 2009, sua primeira clínica médica em Porto Alegre (RS), a Docctor Med, em conjunto com dois sócios. Na época, o investimento foi de aproximadamente R$ 1 milhão.

Em 2012, a Docctor Med se tornou uma franquia, que em 2017 faturou R$ 40 milhões. Nesse meio tempo, Silveira comprou a parte de seus sócios e se tornou o único dono da rede, que hoje possui 39 clínicas em 14 Estados do Brasil, oferecendo mais de 3.000 serviços médicos, de consultas a exames, para os mais de 46 mil pacientes que passam pela rede por mês.

O empresário lembra que, com a clínica em funcionamento, ficou evidente a necessidade de profissionalizar a gestão. O primeiro passo nesse sentido foi ir em busca de mais qualificação. “Eu fiz curso de empreendedorismo no Sebrae e o de franchising avançado da Associação Brasileira de Franchising.” Em apenas um semestre, a franquia da Docctor Med se expandiu para mais duas cidades: Campinas (SP) e Criciúma (SC).

“Quando nós abrimos em 2009, o público que nós atendíamos eram pessoas que tinham dificuldade de serem atendidas pelo SUS (em razão da grande procura pelo serviço público)”, afirma Silveira. Hoje, no entanto, a situação é diferente. O público da Docctor Med é formado por aqueles com problemas com os planos de saúde das classes B,C e D.

Silveira diz que uma característica da Docctor Med é a agilidade para agendar as consultas e exames. “Demora no máximo três dias entre o pedido e o atendimento em uma de nossas clínicas”, afirma. “No plano de saúde, esse processo demora de 15 a 20 dias”,diz ele.

Pagamento. A marcação de consulta ou de exame pode ser feita tanto pelo site da empresa quanto em contato telefônico com um dos consultores. O atendimento pode ser pago em dinheiro ou com cartão de crédito. A Docctor Med é remunerada entre 30% a 50% do valor pago, pela consulta, dependendo do contrato que estabeleceu com o médico. Já a franqueadora, recebe de cada clínica um valor correspondente a 4,5% do faturamento bruto por mês.

Além de médicos, a franquia também oferece os serviços de nutricionistas, dentistas e psicólogos. No total, são 1.700 servidores na rede.

O investimento inicial para uma clínica padrão da Docctor Med é de R$ 250 mil, sem contar o capital de giro. Uma clínica mais compacta, exige uma aplicação de R$ 180 mil. O retorno de investimento demora cerca de 18 a 36 meses.

O sucesso do modelo, diz Silveira, reside na flexibilidade que a rede tem com os médicos. “Sempre negociamos a remuneração caso a caso”, afirma. “O profissional da saúde pode ser remunerado por hora, por turno, por atendimento. Alguns até têm registro CLT.”

De acordo com ele, quem define o horário de trabalho nas franquias são os próprios médicos. “Não impomos carga horária”, afirma. Cada profissional define quando trabalha com base em sua agenda.

Segundo o empreendedor, a marca oferece ainda outro atrativo. “A hora médica Brasil a fora é de aproximadamente R$ 1o0”, diz. “Conosco, esse profissional ganha algo em torno de R$ 150”. Hoje, são 2.300 profissionais em uma fila de espera para entrar na rede de clínicas.

Mais conteúdo sobre:

clínicaGestãoprofissionalização